Internacional ONU homenageia presidente do Haiti assassinado há 1 semana

ONU homenageia presidente do Haiti assassinado há 1 semana

Comunidade internacional aproveitou a oportunidade para prestar solidariedade e solicitou apoio nas investigações sobre o crime

Agência EFE
Jovenel Moise, presidente do Haiti, foi assassinado a tiros há uma semana em sua casa

Jovenel Moise, presidente do Haiti, foi assassinado a tiros há uma semana em sua casa

EFE/ Loey Felipe

A Assembleia Geral da ONU se reuniu nesta quarta-feira (14) em uma sessão especial para homenagear o presidente do Haiti, Jovenel Moise, assassinado há uma semana em sua casa.

Os Estados-membros das Nações Unidas se reuniram para lembrar Moise, condenar seu assassinato e transmitir solenemente suas condolências ao Haiti.

Leia mais: EUA pedem que cubanos e haitianos não venham pelo mar

"A República do Haiti sofre há muito tempo com tragédias e tumultos, e o assassinato de seu presidente acabou abrupta e ilegalmente com sua liderança e afeta negativamente os esforços para estabilizar este país", disse Ian Liburd, representante de São Cristóvão e Névis, em nome da Comunidade do Caribe (Caricom).

A comunidade internacional aproveitou a reunião para destacar sua solidariedade com o país, que solicitou apoio nas investigações sobre o assassinato e em questões de segurança.

Os Estados Unidos, que enviaram uma delegação ao Haiti em resposta a este pedido de apoio, asseguraram que estará com o povo haitiano em seu caminho para um país "mais seguro e democrático".

"Depois de tantos anos de crise, é disso que os haitianos precisam e merecem", ressaltou a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Linda Thomas-Greenfield.

Leia mais: 'Esperei minha vida inteira', diz brasileiro que fará turismo espacial

O representante do Haiti, Antonio Rodrigue, agradeceu as manifestações de solidariedade e destacou a necessidade de apoio internacional ao país, bem como a importância de um amplo diálogo político entre todas as forças e a realização de eleições "democráticas, livres e transparentes".

As autoridades haitianas prenderam 21 pessoas por sua suposta participação no assassinato de Moise, que foi baleado 12 vezes em sua residência na madrugada do último dia 7, enquanto sua esposa, Martine, ficou ferida e segue hospitalizada em Miami (EUA).

Últimas