Internacional Polícia do Canadá encontra corpo de suspeito de assassinar com faca ao menos dez pessoas 

Polícia do Canadá encontra corpo de suspeito de assassinar com faca ao menos dez pessoas 

Damien Sanderson, de 31 anos, e o irmão, Myles Sanderson, são apontados como autores do massacre, que feriu outras 18 pessoas

  • Internacional | Do R7, com informações da AFP e EFE

Resumindo a Notícia

  • A polícia do Canadá encontrou morto um dos suspeitos dos ataques com faca
  • As autoridades não informaram as condições da morte de Damien Sanderson, de 31 anos
  • Myles Sanderson, irmão de Damien, continua foragido
  • Ao menos dez pessoas morreram e outras 18 ficaram feridas nos ataques no noroeste do país
Damien Sanderson foi encontrado morto

Damien Sanderson foi encontrado morto

Handout/Royal Canadian Mounted Police Saskatchewan/AFP

A polícia do Canadá informou nesta segunda-feira (5) que localizou o corpo de Damien Sanderson, de 31 anos, um dos dois suspeitos de matar dez pessoas e ferir outras 18 no noroeste do país.

As autoridades policiais também afirmaram, durante uma entrevista coletiva, que o segundo suspeito, Myles Sanderson, de 30 anos, continua com paradeiro desconhecido.

Segundo alertou a comandante da Polícia Montada de Saskatchewan, Rhonda Blackmore, Myles Sanderson pode estar ferido e é muito perigoso.

O massacre na comunidade indígena de James Smith Cree e na vizinha cidade de Weldon, no domingo, está entre os maiores atos de violência em massa da história canadense. Evan Bray, chefe da polícia de Regina, capital da província, afirmou que Myles pode estar escondido na cidade — a 300 quilômetros do lugar do atentado — após ter sido visto no fim de domingo (4).

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, disse no Twitter que os ataques foram "horríveis e comoventes" e se declarou "chocado e devastado". Em Ottawa, o premiê lamentou que a violência em massa tenha se tornado "muito frequente" no país.

"Os ataques de ontem são chocantes e desgarradores", acrescentou. "Esse tipo de violência não tem lugar em nosso país. Infelizmente, nos últimos anos, tragédias como essas se tornaram muito frequentes."

Últimas