Polícia faz buscas em casa de autor de ataque na Ponte de Londres

Homem de 28 anos, que já havia sido condenado por ofensas terroristas, foi morto por policiais; duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas

Policial vigia a porta da casa do responsável por ataque na Ponte de Londres

Policial vigia a porta da casa do responsável por ataque na Ponte de Londres

Henry Nicholls / Reuters - 30.11.2019

A polícia realiza, neste sábado (30), buscas na casa do homem responsável pelo atentado na Ponte de Londres, que provocou a morte de três pessoas — entre elas, o próprio atacante, que foi baleado por policiais.

O suspeito, que foi morto a tiros pelos agentes, foi identificado como Usman Khan, de 28 anos, condenado em 2012 por planejar colocar explosivos na Bolsa de Londres e organizar um campo de treinamento para terroristas na Caxemira paquistanesa.

Khan saiu da prisão há um ano. Ele foi preso e condenado, acusado de ser um dos nove integrantes de uma célula inspirada no grupo terrorista Al Qaeda que foi detectada pelos serviços de inteligência britânicos.

Inicialmente, Khan foi condenado a um período indefinido de reclusão, com cumprimento mínimo de oito anos, mas a sentença foi revisada para 16 anos. Solto em dezembro do ano passado, após cumprir metade da pena, passou a usar uma tornozeleira eletrônica para ser monitorado, segundo a imprensa local.

Homem era convidado em conferência

Na sexta-feira, quando cometeu o ataque, no início da tarde, ele participava como convidado de uma conferência organizada pela Universidade de Cambridge sobre reabilitação de presos no edifício Fishmongers Hall, ao norte da ponte.

Com explosivos atados ao corpo, o terrorista ameaçou detonar a carga e, na sequência, começou a esfaquear diversas pessoas.

"O indivíduo era conhecido pelas autoridades", declarou o chefe da unidade antiterrorista da polícia britânica, Neil Basu, em comunicado no qual detalhou que "uma linha fundamental da investigação é estabelecer como ele chegou a cometer este ataque".

As forças de segurança acreditam que Khan agiu sozinho, mas continuam a investigar para tentar esclarecer os detalhes do atentado. Os três feridos continuam internados, um deles em estado crítico, um estável e outro com ferimentos de menor gravidade.