Internacional Polícia retoma controle de prisão no Equador após motim

Polícia retoma controle de prisão no Equador após motim

Rebelião deixou pelo menos 118 presos mortos em um dos piores massacres penitenciários da história da América Latina

AFP
Familiares de detentos esperam para identificar os mortos após um motim na Penitenciaria del Litoral, em Guayaquil

Familiares de detentos esperam para identificar os mortos após um motim na Penitenciaria del Litoral, em Guayaquil

Reuters - 30.09.2021

Três dias após o início de uma rebelião em uma prisão no porto de Guayaquil, que deixou pelo menos 118 presos mortos, seis deles decapitados, a polícia anunciou na última quinta-feira (30) ter retomado o controle do local, onde ocorreu um dos piores massacres penitenciários da história da América Latina.

"Tudo está tranquilo, eles (os presos) estão nas celas. Os pavilhões não estão tomados", informou a comandante da polícia, a general Tannya Varela, em declarações à imprensa, após liderar uma operação que contou com 900 agentes de segurança. "Os pavilhões não estão tomados. Estamos entrando no local normalmente", reforçou.

O motim começou na última terça-feira (28), quando presidiários de gangues rivais ligadas ao narcotráfico mexicano entraram em confronto usando armas de fogo.

Varela revelou que a polícia apreendeu na quinta-feira três pistolas, 435 munições, 25 armas brancas e três artefatos explosivos. Dois policiais também ficaram feridos na rebelião.

O Ministério Público informou pelo Twitter que "existem 118 pessoas mortas, 86 feridas, seis em estado grave".

Na quarta-feira, o presidente Guillermo Lasso reportou 116 presos mortos e cerca de 80 feridos. Ele declarou estado de exceção em todo o sistema carcerário do Equador.

De acordo com o site local Primicias, a rebelião teve início quando presos de uma gangue comemoravam o aniversário de um de seus líderes detidos e se gabaram de ter o poder na prisão. Isso perturbou organizações rivais localizadas em outros pavilhões e gerou conflitos.

Tanques e soldados estão posicionados ao redor da prisão, onde centenas de familiares buscam desesperadamente por informações sobre seus parentes, verificaram jornalistas da AFP.

“É uma coisa muito dolorosa. (...) Dizem que tem gente que teve a cabeça arrancada”, disse à AFP Juana Pinto, que espera impaciente para saber o destino de seu filho preso.

Reconheci sua cabeça

“O meu filho só tinha mais 15 dias para ficar livre. Vim porque vi um vídeo, que me enviaram por celular, no qual reconheci a sua cabeça”, relatou Ermes Duarte, 71, que veio da vizinha vila rural de Salitre.

"Queremos saber algo sobre ele. Ele estava no pavilhão 6, onde dizem que foram lançadas duas bombas", declarou Mercedes Moreira, de 33 anos e que busca o irmão Darwin.

Com uma superlotação de 30%, falta de guardas, corrupção e violência, o Equador sofre uma crise carcerária há vários anos. Antes desse motim, o número de presos mortos desde janeiro chegava a 120, e agora são 238.

Em fevereiro, 79 presidiários morreram em distúrbios simultâneos em quatro prisões de três cidades, incluindo Guayaquil.

É em um grande complexo prisional neste porto do sudoeste onde estão um terço dos 39.000 presidiários do país, que são vigiados por 1,5 mil guardas (3 mil a menos do que o necessário, segundo especialistas). Circularam imagens de corpos decapitados, desmembrados e incinerados.

“Na América Latina, infelizmente, nos tornamos o país com o maior massacre carcerário nos últimos anos, acima do Brasil e da Venezuela”, disse à AFP o equatoriano Freddy Rivera, especialista em segurança e tráfico de drogas.

Em 2020, houve 103 assassinatos nas prisões do Equador, segundo a Defensoria Pública Nacional.

Prisões tomadas


Grupos criminosos "tomaram as prisões do país e estão tentando enviar assim uma mensagem ao Estado de que são mais fortes do que o Estado de Direito. O sistema penitenciário entrou em colapso", explicou a advogada Itania Villarreal, ex-diretora do órgão encarregado das prisões.

O diretor do Centro de Inteligência Estratégica do governo, Fausto Cobo, admitiu que os massacres nas prisões são "uma ameaça ao Estado", pois os responsáveis têm "um poder igual ou superior ao do próprio Estado".

A recente carnificina tem origem em confrontos de poder entre gangues criminosas a serviço do tráfico internacional. Duas delas, com cerca de 20 mil membros, têm vínculos com os cartéis mexicanos de Sinaloa e Jalisco Nova Geração, de acordo com relatórios policiais.

Rivera, professor da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) de Quito, observou que os presos também têm conexões com organizações criminosas da Colômbia, o maior produtor mundial de cocaína.

Segundo o especialista, as prisões equatorianas se converteram em “comandos centrais do crime” de onde se planejam, articulam, corrompem e ordenam atividades criminosas.

Ele destacou que a “guerra” pelo poder se deve ao fato de o Equador, com 65 presídios e onde um terço da população carcerária está ligada ao narcotráfico, ser “estratégico” para os criminosos porque também tem uma economia dolarizada, além de cinco portos marítimos.

Também existe no país “uma enorme fragilidade institucional, permeada pela corrupção e infiltração do crime organizado nas instituições de segurança, justiça e penitenciárias”, apontou Rivera.

O Equador apreendeu cerca de 116 toneladas de drogas entre janeiro e agosto de 2021, principalmente cocaína, em comparação com um recorde de 128 toneladas em 2020.

Últimas