Internacional Policiais reféns de indígenas no Equador dizem estar bem

Policiais reféns de indígenas no Equador dizem estar bem

Líder indígena disse que detidos 'ão carregar o caixão dos 'mortinhos'' antes de serem libertados, mas não explicaram em que a missão consiste

Agente diz que reféns não foram agredidos

Agente diz que reféns não foram agredidos

José Jacome / EFE - 10.10.2019

Os oito policiais feitos reféns nesta quinta-feira (10) por manifestantes indígenas que ocuparam a Casa da Cultura Equatoriana (CCE), em Quito, não sofreram ferimentos e passam bem, segundo um dos próprios agentes retidos.

"Estamos bem, não nos maltrataram", afirmou Darwin Lárraga à Agência Efe.

O líder indígena e presidente da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), Jaime Vargas, disse à Efe que os reféns cumprirão uma "missão".

"Vão carregar o caixão dos 'mortinhos', e vamos fazer umas caminhadas. Depois irão para casa, e vamos entregá-los bem saudáveis", acrescentou.

O líder indígena não confirmou se o caixão que citou se refere a algum morto nas manifestações que vêm ocorrendo no Equador contra a eliminação, por parte do governo do presidente Lenín Moreno, dos subsídios aos combustíveis. Segundo a Defensoria do Povo do país, pelo menos um manifestante indígena morreu ontem nos protestos.

Perguntado pela Efe sobre a "missão" mencionada por Vargas, Lárraga disse que não têm nenhuma informação.

"Até agora estamos bem, esperamos que as coisas continuem assim", declarou.

Na Casa da Cultura, um dos policiais reféns estava envolto em uma bandeira do Equador, e outros dois usavam um lenço distintivo das nacionalidades indígenas.

O titular da Defensoria, Freddy Intriago, foi à Casa da Cultura para avaliar a situação dos policiais e dos manifestantes indígenas que chegaram a Quito vindos do interior do país.