Por medo de atentado, Jeanine Añez cancela viagem dentro do país

Ministro disse que foi identificada uma quadrilha que tem planos de atacar a presidente interina da Bolívia, que viajaria para cidade natal hoje

Henry Romero/ Reuters - 15.11.2019

A presidenta interina da Bolívia, Jeanine Áñez, cancelou nesta segunda-feira (18) uma viagem dentro do país por temer um atentado, segundo informações do governo nacional, que, no entanto, não deu detalhes, ainda à espera do desenrolar das operações contra um suposto grupo criminoso.

O ministro do Governo, Arturo Murillo, disse à imprensa em La Paz que foi identificada uma quadrilha que quer atentar contra Áñez. "Tivemos que interromper sua viagem para a sua terra natal", declarou Murillo, referindo-se à cidade de Trinidad, capital da região de Beni, que hoje comemora 177 anos de fundação.

O ministro revelou ter sido muito difícil convencer a presidente autoproclamada e disse que precisou ter colocado o cargo à disposição para caso ela insistisse em viajar. Isso porque, segundo Murillo, ela corria risco de morte e por se tratar de um tema de segurança de Estado.

Ele afirmou que as operações conjuntas realizadas nos últimos sete dias com policiais e militares permitiram a detecção de grupos que tentam ações violentas. "São organizações criminosas com ligação com o narcotráfico e que querem fazer uma Venezuela na Bolívia. Temos entidades muito obscuras, estamos tentando seguir os passos. Daremos o máximo de detalhes quando terminarmos essas operações", comprometeu-se.

Ainda antes do pronunciamento do ministro, Áñez havia postado no Twitter uma mensagem de parabéns para a cidade. "Eu me sinto mais beniana e boliviana do que nunca. Parabéns, Beni!", escreveu.