Internacional Presidente do Cazaquistão autoriza polícia a atirar sem aviso prévio

Presidente do Cazaquistão autoriza polícia a atirar sem aviso prévio

Medida ocorre para pôr fim nos protestos que abalam o país contra o aumento do preço do gás

AFP
Tropas são vistas na praça principal de Almaty, onde ocorria um protesto contra o governo

Tropas são vistas na praça principal de Almaty, onde ocorria um protesto contra o governo

Mariya Gordeyeva/Reuters - 06.01.2022

O presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, anunciou nesta sexta-feira (7) que estava autorizando as forças da lei a abrir fogo "sem aviso prévio" para pôr fim nos protestos que abalam o país.

"Dei a ordem de atirar para matar sem aviso prévio", declarou Tokayev em discurso transmitido pela televisão, acrescentando que "os terroristas continuam danificando propriedades e usando armas contra os cidadãos".

Tokayev rejeitou qualquer negociação e prometeu "eliminar" os "bandidos" que provocaram os distúrbios. Segundo ele, são cerca de 20 mil pessoas, com um "plano claro".

Ele também agradeceu ao presidente russo, Vladimir Putin, por enviar tropas ao Cazaquistão. Tokayev garantiu ainda que a ordem constitucional foi amplamente restabelecida no país após dias de protestos sem precedentes.

"As forças da ordem estão trabalhando duro. A ordem constitucional foi amplamente restabelecida em todas as regiões", disse Tokayev, em um comunicado, acrescentando que as operações de segurança vão continuar "até a destruição total dos militantes".

"Os órgãos locais têm o controle da situação, mas os terroristas sempre usam armas e causam danos aos bens dos cidadãos", continuou o presidente. 

Já o Ministério do Interior informou que 26 "criminosos armados" morreram e 18 ficaram feridos. Além disso, confirmou que todos os prédios administrativos foram "liberados e postos sob maior proteção", com 70 comandos de controle instalados no país.

Em Almaty, a capital econômica e onde os confrontos foram mais violentos, "as forças de segurança e as forças militares (...) garantem a ordem pública, a proteção das infraestruturas estratégicas e a limpeza das ruas", disse o ministério. 

Tropas russas e de outros países aliados chegaram nesta quinta-feira (6) à ex-república soviética para apoiar o governo. Para controlar a situação, foi imposto um toque de recolher, e um estado de emergência foi declarado. 

Há vários dias um movimento de protestos varre o Cazaquistão, desde o último domingo (2), contra o aumento do preço do gás.

Essa é a maior mobilização em décadas no país, governado de 1989 até 2019 por Nursultan Nazarbayev, considerado o mentor do atual presidente.

Os distúrbios, que causaram dezenas de mortos e deixaram mais de mil feridos, de acordo com as autoridades, continuaram nesta quinta-feira em Almaty, onde foram ouvidos disparos. 

Até o momento, 18 membros das forças de segurança morreram e 748 ficaram feridos. Cerca de 2.300 pessoas foram presas.

Últimas