Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia ameaça suspender acordo de exportação de cereais ucranianos

Rússia ameaça suspender acordo de exportação de cereais ucranianos

Acordo, negociado em julho do ano passado com a mediação da Turquia e da ONU, é crucial para a segurança alimentar mundial

AFP
Resumindo a Notícia
  • Chefe da diplomacia russo ameaçou suspender acordo de exportação de cereais ucranianos.

  • Rússia diz que acordo não é respeitado, devido aos obstáculos à venda de produtos russos.

  • Acordo, negociado em julho do ano passado, é crucial para a segurança alimentar mundial.

  • Pacto permitiu exportar mais de 25 milhões de toneladas de cereais.

Pacto entre Rússia e Ucrânia permitiu exportar mais de 25 milhões de toneladas de cereais

Pacto entre Rússia e Ucrânia permitiu exportar mais de 25 milhões de toneladas de cereais

Valentyn Ogirenko/Reuters - 3.3.2022

O chefe da diplomacia da Rússia, Serguei Lavrov, ameaçou nesta sexta-feira (7) em Ancara suspender o acordo de exportação de cereais ucranianos através do Mar Negro, caso prossigam os obstáculos à venda de produtos agrícolas russos.

O acordo, negociado em julho do ano passado com a mediação da Turquia e das Nações Unidas, é crucial para a segurança alimentar mundial.

"Se não acontecer nenhum avanço na retirada dos obstáculos às exportações de fertilizantes e cereais russos, então perguntaremos se este acordo é necessário", ameaçou Lavrov após uma reunião com o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlüt Cavusoglu.

O pacto, que permitiu exportar mais de 25 milhões de toneladas de cereais, foi prorrogado em 19 de março.

Moscou, no entanto, propôs que o texto fosse prorrogado por 60 dias e não por 120, como foi inicialmente estabelecido.

O Kremlin considera que a parte do acordo que deve permitir a exportação dos alimentos e fertilizantes não é respeitada.

Em tese, os produtos essenciais para a agricultura mundial não podem ser objeto das sanções ocidentais impostas a Moscou pela invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022, mas na prática as exportações enfrentam uma série de obstáculos por parte dos bancos.

De acordo com o ministro turco, "Estados Unidos e Reino Unido adotaram medidas relacionadas a pagamentos e seguros, mas ainda há problemas. Alguns bancos não fizeram o suficiente".

Além disso, "medidas foram adotadas para reenviar amônia e fertilizantes russos dos países ocidentais para os países africanos, mas o problema não está resolvido", acrescentou.

Lavrov também denunciou a desigualdade das exportações ucranianas entre países ricos e pobres.

De acordo com o Centro de Coordenação Conjunto, responsável por monitorar o acordo, 56% das exportações foram destinadas aos países em desenvolvimento e 5,7% aos países menos avançados, que têm mais de 12% da população mundial.

Durante a visita à Turquia, Lavrov também se reunirá com o presidente Recep Tayyip Erdogan, que está em campanha para tentar a reeleição na votação de 14 de maio.

"Nova ordem mundial"

Rússia e Turquia atuam em conjunto em vários temas internacionais. Antes da viagem de Lavrov a Ancara, Moscou destacou a importância de "sincronizar os relógios" entre os países.

A Turquia mantém relações com a Rússia e com a Ucrânia desde o início do conflito.

O ministro turco das Relações Exteriores expressou nesta sexta-feira "preocupação com uma possível escalada do conflito na primavera" (hemisfério norte, outono no Brasil).

Lavrov advertiu que negociar a paz na Ucrânia será possível apenas com o estabelecimento de uma "nova ordem mundial", livre do domínio dos Estados Unidos.

"As negociações só podem acontecer se os interesses russos forem levados em consideração", declarou o chanceler russo, antes de destacar que estes serão "os princípios sobre os quais uma nova ordem mundial será fundada".

Ao mesmo tempo, a Rússia espera estimular uma reconciliação entre a Turquia e a sua aliada Síria. O país convocou várias reuniões sobre o tema, mas até agora sem qualquer resultado concreto.

O presidente sírio, Bashar al Assad, condiciona uma reunião com Erdogan à retirada das forças turcas do norte da Síria, região sob influência dos curdos.

Mas o porta-voz e conselheiro para assuntos internacionais de Erdogan, Ibrahim Kalin, anunciou na última quarta-feira (5) uma reunião "nos próximos dias" em Moscou entre os ministros das Relações Exteriores e da Defesa dos dois países, assim como da Rússia e do Irã.

O encontro também incluirá os chefes dos serviços de inteligência dos quatro países, de acordo com Kalin, que se reuniu na quinta-feira (6) com Putin na capital da Rússia.

Tropas da Otan simulam ataque com tanques a menos de 200 km da fronteira de aliada da Rússia

Últimas