Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia reduz fornecimento de gás à Europa após bombardeio contra prisão

Rússia reduz fornecimento de gás à Europa após bombardeio contra prisão

Moscou já havia cortado pela metade seu volume de entrega ao afirmar que gasoduto não poderia operar sem uma turbina

AFP
Rússia reduziu novamente suas entregas de gás para o Ocidente

Rússia reduziu novamente suas entregas de gás para o Ocidente

Maxim Shemetov/Reuters 29.11.2019

A Rússia mais uma vez reduziu suas entregas de gás para o Ocidente neste sábado (30), suspendendo o fornecimento para a Letônia, um dia após o bombardeio mortal de uma prisão onde ucranianos eram mantidos detidos

"Hoje, a Gazprom suspendeu as entregas de gás para a Letônia devido à violação das condições de abastecimento de gás", informou a gigante russa em comunicado no Telegram.

Este anúncio ocorre depois que a Gazprom reduziu drasticamente suas entregas para a Europa esta semana através do gasoduto Nord Stream, citando a necessidade de manutenção de uma turbina. 

A Rússia já havia cortado pela metade seu volume de entrega em junho, dizendo que o gasoduto não poderia operar normalmente sem uma turbina que está sendo reparada no Canadá e que ainda não foi devolvida à Rússia devido às sanções ocidentais. 

Desde então, Alemanha e Canadá concordaram em enviar o equipamento de volta à Rússia, mas a turbina ainda não foi entregue. Enquanto isso, os ataques continuam no leste e no sul da Ucrânia, e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, chamou na sexta-feira à noite o bombardeio de uma prisão que matou "mais de 50 pessoas" como um "crime de guerra russo deliberado". 

Moscou acusou as forças ucranianas de serem responsáveis pelo ataque à prisão de Olenivka, onde estavam prisioneiros de guerra ucranianos, em território separatista no leste da Ucrânia. O exército russo reportou 40 mortos e 75 feridos, com as autoridades separatistas pró-russas na região de Donetsk citando até 53 mortos.

O Comitê de Investigação da Rússia acusou as forças ucranianas de terem "disparado contra a prisão onde estão detidos os membros do batalhão Azov, usando projéteis americanos do sistema Himars". 

O regimento Azov se destacou na defesa de Mariupol (sudeste). Após longas semanas de cerco e resistência na siderúrgica Azovstal, cerca de 2.500 combatentes ucranianos se renderam ao exército russo em maio. Moscou fez saber que eles seriam presos em Olenivka.

Mas a Ucrânia negou ter como alvo infraestruturas civis ou prisioneiros de guerra. O Estado-Maior ucraniano acusou a Rússia de tentar "acusar a Ucrânia de ter cometido crimes de guerra" e de "camuflar a tortura de prisioneiros e as execuções" que ali foram "perpetradas". 

Segundo a inteligência ucraniana, o ataque "foi realizado por mercenários da Divisão Wagner" e "não foi coordenado com a liderança" do ministério da Defesa russo. 

Por sua vez, a União Europeia condenou "nos termos mais fortes as atrocidades cometidas pelas forças armadas russas e seus apoiadores", em um comunicado de imprensa do seu chefe de diplomacia visando o bombardeio da prisão e as acusações de tortura.

"Estes atos desumanos e bárbaros constituem graves violações das Convenções de Genebra e de seu protocolo adicional e equivalem a crimes de guerra", acrescentou Josep Borrell.

No terreno das operações militares, as autoridades ucranianas anunciaram neste sábado que os bombardeios russos atingiram várias localidades no sul e leste do país, matando pelo menos uma pessoa em Mykolaiv (sul). 

Em Kharkiv (leste), a segunda maior cidade ucraniana, três mísseis S-300 caíram sobre uma escola que pegou fogo, anunciou o prefeito da cidade, Igor Terekhov.

O prédio principal foi destruído, segundo o prefeito.

Na região de Donetsk, epicentro da ofensiva russa no leste, o prédio da rodoviária e prédios vizinhos foram danificados por um ataque em Sloviansk, segundo o governador regional Pavlo Kyrylenko.

Em relação aos grãos bloqueados na Ucrânia desde o início da guerra, as exportações podem ser retomadas "nos próximos dias", segundo Kiev.

O presidente Zelensky visitou o porto de Chornomorsk, no Mar Negro, na sexta-feira, para supervisionar um primeiro carregamento de grãos para um navio turco, nos termos do acordo alcançado em 22 de julho com a Rússia. 

De acordo com o ministério de Infraestruturas da Ucrânia, 17 navios já foram carregados com grãos em Chornomorsk e Odessa, e dez estão prontos para partir. 

A Ucrânia, como a Rússia, está entre os maiores exportadores de grãos do mundo. Kiev espera vender cerca de 20 milhões de toneladas por cerca de 10 bilhões de dólares como parte deste acordo.

Últimas