Internacional Sem amparo do governo, 'dreamers' abrem escola de inglês no México

Sem amparo do governo, 'dreamers' abrem escola de inglês no México

Fundador da ONG afirmou que a iniciativa surgiu quando perceberam que não abriam as portas para eles. 'Decidimos criar as nossas oportunidades'

Sem amparo do governo, 'sonhadores' abrem escola de inglês no México

Desde 2015, a New Comienzos já ajudou mais de 5.000 repatriados

Desde 2015, a New Comienzos já ajudou mais de 5.000 repatriados

Sáshenka Gutiérrez/EFE - 2.6.2019

Decepcionados com as demonstrações de rejeição recebidas em instituições de ensino e cansados de esperar o apoio do governo, os membros da organização New Comienzos, que apoia os "sonhadores" que voltaram ao México, abriram a própria escola de inglês no país.

"Percebemos que não abriam as portas para nós, então decidimos criar as nossas próprias oportunidades", disse Israel Concha, fundador dessa ONG que oferece assistência gratuita aos repatriados em busca de emprego, ajuda psicológica, certificação de idiomas e, o mais recente serviço, aulas de inglês.

Leia mais: Trump se prepara para ameaçar México com tarifas por imigração

"Muitos de nós somos 'dreamers' (imigrantes que chegaram aos Estados Unidos ainda crianças) e a maioria já dá aulas de inglês", explicou o líder "sonhador" enquanto guiava a agência EFE em um tour pelos escritórios.

A organização fica em frente à Praça da República na Cidade do México, onde os repatriados estabeleceram sua própria "Little L.A." (Pequena Los Angeles).

Na escola da New Comienzos, "Dream Teach", as turmas são pequenas, as aulas são gratuitas e os professores passaram a maior parte da vida nos Estados Unidos. Repatriados pelos mais variados motivos, eles se estabeleceram na capital mexicana.

Inaugurada em fevereiro deste ano, a escola oferece uma variedade de horários e busca "tirar o medo de falar em inglês". De acordo com o fundador da ONG, é possível dominar o idioma em apenas oito meses.

Embora a escola ainda não tenha o aval da Secretaria de Educação Pública (SET), Israel ressalta a experiência dos professores, que são graduados em universidades americanas.

A organização tenta atualmente obter com a SET a certificação de docência para seus integrantes. A solicitação já foi negada em julho do ano passado para 120 membros que preencheriam parte das 647 vagas de professores de inglês abertas durante a primeira etapa de um plano nacional para tornar o país 100% bilíngue em 20 anos.

A rejeição da secretaria contrastou com as promessas de apoio que o governo fez a Israel em uma das muitas reuniões com funcionários de alto escalão, entre eles o atual secretário de Educação, Esteban Moctezuma.

Veja também: Mexicanos são maioria de imigrantes ilegais, apesar de queda

"Até o momento está tudo muito lento. Esperávamos que o governo de (Andrés Manuel) López Obrador realmente visse que os migrantes passam por uma crise humanitária. Realmente pensávamos que seríamos prioridade e, sendo honesto, digo que não houve apoio do governo federal", disse Israel, que também diz ter recebido promessas vazias do ex-presidente Enrique Peña Nieto.

Mesmo assim, a Dream Teach abre as portas tanto para "sonhadores" interessados em ensinar inglês como estudantes insatisfeitos com o sistema de ensino tradicional da maioria das escolas mexicanas.

Maurício López é professor voluntário na ONG

Maurício López é professor voluntário na ONG

Sáshenka Gutiérrez/EFE - 2.6.2019

"Todos os estudantes que chegaram a mim frequentaram escolas muito prestigiadas aqui no México em inglês e não conseguem conversar", comentou Mauricio López, professor voluntário na Dream Teach com experiência no ensino de inglês em escolas particulares.

López, um "sonhador" que depois de 20 anos decidiu retornar ao México por vontade própria, dá aula nesta escola desde fevereiro, seis vezes por semana. A pronúncia perfeita e o carisma o ajudaram a encontrar uma nova vocação na Dream Teach e em outras instituições que o contrataram.

"Sabia quando estava a caminho do México que usaria o inglês para dar aulas ou fazer algo similar, mas não sabia que me apaixonaria. É uma fórmula que estamos usando para a comunidade nacional que nunca viajou para os Estados Unidos", explicou López.

A Dream Teach tenta encher as salas de aula com mais estudantes. Com o tempo, a escola atrai cada vez mais pessoas que querem aprender sobre a cultura americana.

Em todos os domingos é realizado um encontro chamado Sunday Funday Conversational Club, no qual são exibidos filmes em inglês, organizadas excursões a museus ou atividades para que os "sonhadores" e os estudantes se relacionem.

Leia também: América do Sul vira ponte para imigrantes rumo aos EUA 

Desde 2015, a New Comienzos já ajudou mais de 5.000 repatriados, entre mexicanos imigrantes ilegais que cometeram alguma infração nos EUA e foram deportados até "sonhadores" cansados de viver em um limbo após o cancelamento do programa DACA (Ação Diferida para Chegadas na Infância) pelo presidente americano, Donald Trump.

Segundo a Secretaria de Governo mexicana, mais de 49 mil mexicanos foram deportados dos EUA neste ano. A New Comienzos identificou 12 mil "sonhadores" de 18 a 30 anos, e agora muitos deles fazem parte da organização que se expande pelo México.