Internacional Sudão entregará Omar al-Bashir ao Tribunal Penal Internacional

Sudão entregará Omar al-Bashir ao Tribunal Penal Internacional

Deposto no ano passado, ex-presidente do Sudão será julgado pelo TPI por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade

  • Internacional | Da EFE

Ex-presidente sudanês al-Bashir será julgado por crimes contra a humanidade

Ex-presidente sudanês al-Bashir será julgado por crimes contra a humanidade

Morwan Ali / EPA - EFE - 29.10.2015

O governo do Sudão concordou nesta terça-feira (11) em entregar ao Tribunal Penal Internacional (TPI) o ex-presidente Omar al Bashir, que deixou o poder em abril do ano passado e que enfrenta dois mandados de prisão internacional por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

"Concordamos em entregar todos aqueles contra quem o Tribunal Penal Internacional emitiu mandados de prisão, não podemos fazer justiça sem curar todas as feridas com a própria Justiça", disse Mohamed Hassan al Taishi, membro do Conselho Soberano Sudanês em Yuba.

O governo de transição sudanês estabelecido após a derrubada de Al Bashir e os movimentos armados do Movimento de Libertação do Darfur no Sudão e do Movimento Justiça e Igualdade, parte da Frente Revolucionária, concordaram em entregá-los ao TPI durante suas negociações de paz na capital sul do Sudão.

Crimes contra a humanidade

O TPI emitiu mandados de prisão em 2009 e 2010 para Al Bashir por supostos genocídios, crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos durante ataques do Exército e algumas milícias contra a população civil de Darfur, oeste do Sudão, no entre 2003 e 2008.

O Sudão não é signatário do Tratado de Roma, mas o TPI tomou medidas sobre o assunto por decisão do Conselho de Segurança da ONU.

As partes também concordaram hoje em criar um tribunal especial para investigar os crimes que ocorreram na região e processar seus autores, além de fortalecer os mecanismos de reconciliação, explicou Al Taishi.

Com o acordo sobre esses pontos, ele encerrou o capítulo das negociações sobre justiça para as vítimas do conflito com os movimentos armados de Darfur que fazem parte da Frente Revolucionária.

Últimas