Internacional Suspeito de ajudar Isabel dos Santos em corrupção é encontrado morto

Suspeito de ajudar Isabel dos Santos em corrupção é encontrado morto

Nuno Ribeiro da Cunha era diretor do banco consultor de Isabel dos Santos, a mulher mais rica da África. Polícia suspeita de possível suicídio

Suspeito era diretor de banco consultor de Isabel

Suspeito era diretor de banco consultor de Isabel

Toby Melville/Reuters - 9.1.2020

O diretor do banco privado Eurobic, Nuno Ribeiro da Cunha, consultor da angolana Isabel dos Santos, conhecida como "a mulher mais rica da África" e acusada de crimes de corrupção, foi encontrado morto na noite de quarta-feira (23) em Portugal.

O corpo de Cunha foi encontrado na garagem de sua casa, em Lisboa. Segundo fontes da polícia confirmaram nesta quinta, uma das hipóteses é um possível suicídio.

A polícia portuguesa não ofereceu mais detalhes sobre o caso, embora a mídia local diga que Cunha já estava sob investigação por uma suposta tentativa de suicídio com uma arma branca há duas semanas, em um incidente obscuro onde os investigadores não descartaram uma tentativa de assassinato.

Luanda Leaks e esquema de corrupção

Nuno Ribeiro, de 45 anos, foi um dos braços de gestão de Isabel dos Santos em Portugal, diretor do Eurobic - onde a filha do ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, passou a controlar 42% das ações -, e assessor da empresa estatal angolana Sonagol, que ela presidiu.

A morte de Cunha coincide com a visita a Lisboa do procurador-geral de Angola, Hélder Pitta Gros, que se encontrará hoje com a procuradora-geral portuguesa, Lucília Gago, depois de anunciar, ontem, a acusação de Isabel por crimes de corrupção e enriquecimento ilícito.

A investigação contra Isabel dos Santos começou após a denúncia de seu sucessor na Sonagol, Carlos Saturnino, que a acusou de ter ordenado, após deixar o cargo, uma transferência milionária da petrolífera angolana para uma empresa sediada em Dubai através do Eurobic.

A denúncia virou um escândalo depois que, no último domingo, o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, sigla em inglês) descobriu o "Luanda Leaks", onde mais de 715 mil arquivos detalhando os esquemas financeiros supostamente usados por Isabel dos Santos e seu marido, Sindika Dokolo, para desviar dinheiro público de Angola para paraísos fiscais.