Internacional Talibã se financia com ópio, minério e cobrança de impostos

Talibã se financia com ópio, minério e cobrança de impostos

Grupo extremista chegou a movimentar mais de 1,6 bilhão de dólares ainda durante o período da ocupação dos EUA

Talibã deve explorar ainda mais o tráfico de ópio nos próximos anos

Talibã deve explorar ainda mais o tráfico de ópio nos próximos anos

EFE/EPA/STRINGER

O Talibã foi retirado do poder do Afeganistão em 2001 pelos Estados Unidos e, 20 anos depois, o grupo terrorista dominou territórios afegãos até reassumir o poder do país no dia 15 de agosto.

Mesmo sem estar no controle do país asiático nas últimas duas décadas, o grupo fundado em 1994 no contexto do final da Guerra Fria continuou existindo e tendo uma forte influência na sociedade afegã, conseguindo arrecadar recursos financeiros para se manter ativo ao longo dos anos.

Uma lista dos 10 grupos terroristas com maior poder financeiro do mundo publicada em 2018 pela Revista Forbes revela que o Talibã, na época, arrecadava cerca de 800 milhões de dólares (aproximadamente R$ 4 bilhões na cotação atual) por ano. Esse valor fez o grupo afegão ficar em segundo no ranking, atrás apenas do Hezbollah, com 1,1 bilhão de dólares (R$ 5,7 bilhões) anuais.

Leia mais: Saiba como o Talibã também é ameaça para Rússia e China

Entre 1996 a 2001, o Talibã investiu fortemente nas plantações de papoula, planta que dá origem ao ópio e, assim, o grupo extremista se aprofundou na economia oriunda do tráfico dessa droga.

De acordo com Áureo Toledo, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em meados de 1998 e 1999, o tráfico de ópio rendeu cerca de 100 milhões de dólares (R$ 527 milhões na cotação atual) ao Afeganistão. Desse montante, o Talibã arrecadava 20 milhões de dólares (R$ 105 milhões) com taxas em cima das transações.

Leia mais: França encerra retirada de afegãos nesta 5ª se EUA mantiverem prazo

Em um contexto mais atual, um relatório encomendado pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e obtido pela Radio Free Europe / Radio Liberty revela que o grupo afegão movimentou 1,6 bilhão de dólares (R$ 8,4 bilhões) entre 2019 e 2020. Desse valor, mais de 416 milhões de dólares (aproximadamente R$ 2,1 bilhões) tiveram origem nas transações de ópio.

Escolta segura e cobrança de impostos

“Além da droga, o Talibã sempre lucrou bastante com as taxa cobradas dos caminhões que cruzam a fronteira com o Paquistão. Isso porque ele é um dos poucos grupos armados que conseguem garantir segurança na estrada para os comboios paquistaneses trafegarem sem riscos”, destaca o docente da UFU.

Os recursos financeiros arrecadados através da cobrança de impostos sobre transações realizadas tanto pela população, como pelas indústrias instaladas em regiões de controle do grupo também sempre foram fontes interessantes.

Cobrança de impostos sobre a população é uma importante fonte de recursos para o Talibã

Cobrança de impostos sobre a população é uma importante fonte de recursos para o Talibã

EFE/EPA/STRINGER

Dois exemplos de impostos cobrados pelo Talibã do povo afegão são o ushr, que recolhe 10% do valor arrecadado pela colheita dos fazendeiros, e o zakat, imposto de 2,5% sobre a renda.

Segundo Áureo, essas atividades rendem um lucro anual para o Talibã que gira em torno de 160 milhões de dólares, aproximadamente R$ 840 milhões na cotação atual.

Mineração

Outra fonte de renda para o grupo terrorista é a mineração, mais especificamente a extorsão sobre os mineradores que exercem atividades em regiões de controle do Talibã.

Leia mais: Afegão suspeito de ligação com o Talibã é preso na França

“A mineração ainda é feita em pequena escala e na maioria das vezes de forma ilegal. Mesmo assim, essa atividade já chamou atenção de países como a China”, ressalta o professor que estuda o Talibã e o Afeganistão há mais de uma década.

O relatório da Otan revela que a extração de minério de ferro, mármore, cobre, ouro e zinco rende aproximadamente 400 milhões de dólares (R$ 2,1 bilhões) ao grupo.

Novas formas de financiamento

Depois de reassumir o poder do país asiático, espera-se que o Talibã busque novas formas de se manter financeiramente, uma vez que passará a ter mais responsabilidades com a população afegã.

Leia mais: Líder de resistência antitalibã diz que negociação é o único caminho

Diante disso, Áureo destaca que uma das alternativas é a busca de reconhecimento diplomático internacional por parte de países que estão no seu entorno, como China e Rússia.

“A China já vinha se aproximando do Talibã desde 2015, porque os chineses têm interesse no investimento em uma estrada que liga Cabul a uma cidade no Paquistão, entre outras atividades”, destaca o especialista.

A Rússia, por sua vez, não retirou completamente a sua embaixada de Cabul após o Talibã ter assumido as rédeas do governo afegão. De acordo com o professor, essa é uma sinalização de que os russos possam tentar algum tipo de aproximação com o grupo.

O docente da UFU enfatiza ainda que o grupo no poder do Afeganistão não terá acesso a reservas financeiras internacionais congeladas nos Estados Unidos e nem a linhas de crédito emergenciais do FMI. Diante disso, o prognóstico do especialista é de que o grupo invista ainda mais nas formas de arrecadação que vem rendendo frutos nos últimos anos.

Leia mais: Estudantes afegãs não veem futuro após Talibã chegar ao poder

“Eu acho que o talibã não vai abrir mão da tributação em cima da população e dos mineradores, das taxas alfandegárias e muito menos da arrecadação em cima do tráfico de ópio. A grande questão é o quão explícita será a busca deles por esses recursos”, ressalta Áureo Toledo.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas