Rússia x Ucrânia

Internacional 'Trabalho tem de ser feito à mão', diz Zelenski sobre resgate de 200 civis em porão de siderúrgica

'Trabalho tem de ser feito à mão', diz Zelenski sobre resgate de 200 civis em porão de siderúrgica

Autoridades ucranianas acusam a Rússia de violar o cessar-fogo em Mariupol, cidade sitiada há semanas 

Reuters - Internacional
Vista aérea de um possível bombardeio no complexo de Azovstal, em Mariupol

Vista aérea de um possível bombardeio no complexo de Azovstal, em Mariupol

Reuters - 05.04.2022

Dezenas de civis, entre eles mulheres e crianças, permanecem presos nesta quinta-feira (5) em bunkers subterrâneos na siderúrgica de Azovstal, o último reduto ucraniano na cidade arruinada de Mariupol. Autoridades ucranianas acreditam que cerca de 200 civis permanecem presos junto com combatentes no local.

Em um discurso pela manhã, o presidente ucraniano Volodmir Zelenski disse que a Ucrânia está pronta para garantir um cessar-fogo.

"Levará tempo simplesmente para tirar as pessoas desses porões, desses abrigos subterrâneos. Nas condições atuais, não podemos usar equipamentos pesados ​​para remover os escombros. Tudo tem que ser feito à mão", disse Zelenski.

Um combatente ucraniano que disse estar escondido na fábrica acusou as forças russas de violar as defesas da usina, violando a promessa de cessar-fogo de Moscou, pelo terceiro dia.

O capitão Sviatoslav Palamar, vice-comandante do Regimento Azov da Ucrânia, disse em um vídeo que "lutas pesadas e sangrentas estão acontecendo".

"Mais uma vez, os russos não cumpriram a promessa de um cessar-fogo e não deram uma oportunidade para os civis que procuram abrigo nos porões da usina saírem do local", disse ele. A Reuters não pôde verificar de forma independente sua conta ou onde ele estava falando.

O conselheiro presidencial ucraniano, Oleksiy Arestovych, também disse que os combates continuaram na siderúrgica, mas não deu detalhes. Os militares russos não comentaram imediatamente.

A defesa da Ucrânia de Azovstal destacou o fracasso da Rússia em tomar grandes cidades em uma guerra de 10 semanas que uniu as potências ocidentais ao armar Kiev e punir Moscou com sanções.

No que seria uma grande mudança histórica que certamente enfureceria Moscou, a Suécia e a Finlândia podem em breve decidir se juntar à Otan

Os militares russos prometeram pausar suas atividades em Azovstal durante o dia de quinta-feira e nos dois dias seguintes para permitir a saída de civis, depois que os combatentes ucranianos descreveram como "batalhas sangrentas" impediram as retiradas na quarta-feira. O Kremlin disse que os corredores humanitários da usina estão funcionando.

No entanto, ninguém de Azovstal estava entre os mais de 300 civis retirados de Mariupol e outras áreas no sul da Ucrânia, disse o escritório humanitário da ONU.

Imagens divulgadas por combatentes apoiados pela Rússia pareciam mostrar fumaça e chamas envolvendo o complexo Azovstal da era soviética. 

Vista aérea de um possível bombardeio no complexo de Azovstal, em Mariupol

Vista aérea de um possível bombardeio no complexo de Azovstal, em Mariupol

Reuters - 05.04.2022

O estado-maior militar da Ucrânia disse que o ataque à usina incluiu apoio aéreo. O comandante-chefe das Forças Armadas da Ucrânia disse que eles precisam de vários sistemas de lançamento de foguetes para se defender contra a retomada dos ataques de mísseis de cruzeiro russos em todo o país. Nos últimos dias, a Rússia atacou ferrovias, depósitos de armas e depósitos de combustível.

O Congresso dos EUA está debatendo um pacote de ajuda para a Ucrânia no valor de US$ 33 bilhões, em grande parte para armas. Se conseguir mais suprimentos, a Ucrânia poderá lançar uma contra-ofensiva em meados de junho, disse um assessor de Zelenski.

Mariupol, uma cidade portuária no sudeste da Ucrânia, no Mar de Azov, está agora sob controle russo, além das siderúrgicas, após um cerco de semanas. A cidade tem sido um alvo importante nos esforços para cortar a Ucrânia de suas rotas costeiras de exportação de grãos e metais, bem como para ligar o território controlado pela Rússia no leste do país à Crimeia, tomada por Moscou em 2014.

"Deus proíba que mais projéteis sejam atingidos perto dos bunkers onde os civis estão", disse Tetyana Trotsak, uma das civis que estava em Azovstal entre dezenas que chegaram a uma cidade controlada pela Ucrânia nesta semana, descrevendo sua caminhada de duas horas e meia para atravessar um curto trecho de terreno na fábrica coberta de escombros.

Otan

A Suécia e a Finlândia, que compartilham uma fronteira de 1.300 km com a Rússia, ficaram fora da Otan durante a Guerra Fria, mas a invasão da Ucrânia por Moscou os levou a repensar suas necessidades de segurança.

O presidente russo, Vladimir Putin, embarcou na guerra em parte para combater a expansão da aliança da Otan.

Sanções abrangentes de Washington e aliados europeus prejudicaram a economia de US$ 1,8 trilhão da Rússia, enquanto bilhões de dólares em ajuda militar ajudaram a Ucrânia a frustrar a invasão.

Os Estados Unidos forneceram detalhes sobre a localização do quartel-general móvel da Rússia, permitindo que as forças ucranianas ataquem esses alvos e matem generais russos, informou o New York Times na última quarta-feira, citando altos funcionários dos EUA.

Em resposta, a Rússia disse que esse compartilhamento de inteligência não frustraria seus objetivos. Autoridades ucranianas disseram ter matado cerca de 12 generais russos no campo de batalha, disse o jornal. O Pentágono e a Casa Branca não responderam aos pedidos da Reuters para comentar o relatório.

Enviados da União Europeia estão trabalhando para chegar a um acordo nesta semana sobre a eliminação gradual das importações de petróleo bruto russo dentro de seis meses e produtos refinados até o final deste ano. A medida requer o acordo de todos os 27 membros do bloco e o Kremlin disse que a Rússia está avaliando as respostas ao plano.

Batalhas

A Ucrânia e a Rússia disseram que os combates foram intensos no sul e no leste no último dia. Autoridades ucranianas relataram bombardeios em cidades perto de uma linha de frente que divide o território que controla nas regiões de Donetsk e Luhansk com as terras detidas por separatistas apoiados pela Rússia.

A Força Aérea ucraniana disse que derrubou três mísseis de cruzeiro russos e quatro aeronaves, incluindo dois caças Sukhoi, enquanto a Rússia disse que matou 600 soldados ucranianos durante a noite. A Reuters não pôde informar de forma independente nenhum dos dois.

A Rússia chama suas ações de "operação militar especial" para desarmar a Ucrânia e protegê-la dos fascistas. A Ucrânia e o Ocidente dizem que a alegação fascista é infundada e que a guerra é um ato de agressão não provocado. Desde o primeiro dia da invasão, em 24 de fevereiro, mais de cinco milhões de ucranianos fugiram para o exterior. 

Últimas