Internacional Trump diz que 'matadores' podem estar envolvidos em caso Khashoggi

Trump diz que 'matadores' podem estar envolvidos em caso Khashoggi

Presidente dos EUA conversou com rei Salman, que negou conhecer destino do jornalista saudita que desapareceu na Turquia

Trump diz que 'matadores' podem estar envolvidos em caso Khashoggi

Trump enviou Pompeo a Riad, na Arábia Saudita

Trump enviou Pompeo a Riad, na Arábia Saudita

Jonathan Ernst / Reuters - 15.10.2018

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enviou nesta segunda-feira (15) o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, para se encontrar com o rei Salman, da Arábia Saudita, para debater o desaparecimento misterioso do proeminente jornalista saudita Jamal Khashoggi, e aventou a possibilidade de "matadores de aluguel" serem os responsáveis.

Trump disse ter conversado por telefone durante cerca de 20 minutos com o rei saudita a respeito de Khashoggi, que desapareceu depois de entrar no consulado saudita em Istambul em 2 de outubro, e que pareceu que nem o rei Salman nem o príncipe Mohammed bin Salman tinham informações sobre o incidente.

Fontes da Turquia disseram acreditar que Khashoggi foi assassinado dentro do edifício diplomático e que seu corpo foi removido. O governo saudita descartou as alegações, afirmando serem infundadas.

"Para mim pareceu que talvez podem ter sido matadores de aluguel. Quem sabe?", disse Trump a repórteres na Casa Branca, sem oferecer indícios que expliquem por que acredita que assassinos particulares podem estar envolvidos.

Representantes da Casa Branca não responderam de imediato a um pedido adicional de comentário.

Pompeo em Riad

Pompeo viajará a Riad, informou o Departamento de Estado.

"O presidente pediu uma investigação imediata e aberta sobre o desaparecimento do jornalista do Washington Post Jamal Khashoggi", disse a porta-voz do departamento, Heather Nauert, em um comunicado.

"Não deixaremos nada descoberto", disse Trump a repórteres.

Mas a negação de Salman "não poderia ter sido mais forte", acrescentou.

No final de semana Trump ameaçou uma "punição grave" a Riad caso se descobrisse que Khashoggi, crítico destacado das autoridades sauditas e morador legal dos EUA, foi morto no consulado saudita em Istambul. A Arábia Saudita, por sua vez, ameaçou retaliar.

Mas Trump disse estar relutando em suspender as vendas militares norte-americanas a Riad por causa do incidente.

Na manhã desta segunda-feira, Salman ordenou uma investigação interna sobre o sumiço de Khashoggi, e uma equipe conjunta turco-saudita deve fazer uma busca no consulado.

Segundo Trump, o monarca saudita lhe disse nesta segunda-feira que os dois países estão trabalhando estreitamente no caso.