Internacional Ucrânia reivindica cidades e recebe defesa antiaérea após fortes bombardeios

Ucrânia reivindica cidades e recebe defesa antiaérea após fortes bombardeios

País vinha sofrendo retaliações após ataque feito com explosivos contra a ponte que liga a Crimeia e a Rússia

AFP

Resumindo a Notícia

  • Ucrânia reivindica a conquista de cidades antes ocupadas pelos russos no sul do país
  • Após bombardeio na ponte da Crimeia, Ucrânia vinha sofrendo com intensos bombardeios
  • Volodmir Zelenski pediu ajuda para criar um "escudo antiaéreo"
  • Estados Unidos enviou sistema de defesa antiaéreo para o país
Prédio fica completamente destruído após bombardeio
 na Ucrânia

Prédio fica completamente destruído após bombardeio na Ucrânia

Maryna Moiseyenko/AFP - 9.10.2022

A Ucrânia reivindicou, nesta quarta-feira (12), a conquista de várias cidades ocupadas pelos russos no sul do país e comemorou a chegada de um novo sistema de defesa antiaérea depois de sofrer dois dias de intensos bombardeios.

O país recebeu uma chuva de mísseis, foguetes e drones - ordenados pelo presidente russo, Vladimir Putin, como uma retaliação ao ataque com explosivos contra a ponte da Crimeia, que liga esta península anexada por Moscou em 2014 ao território russo.

O serviço de segurança russo (FSB) anunciou nesta quarta a prisão de oito pessoas suspeitas de participar da organização desse ataque, que, segundo ele, foi planejado pela inteligência ucraniana.

O FBS também alegou ter frustrado duas tentativas de ataques preparados por Kiev na região de Moscou e em Bryansk, perto da fronteira com a Ucrânia.

As autoridades ucranianas não confirmaram ou negaram estar envolvidas na explosão da ponte, mas nunca esconderam sua intenção de recuperar a Crimeia e o restante dos territórios ocupados pela Rússia desde o início da guerra em fevereiro.

Putin prometeu uma resposta "firme" a qualquer novo ataque ao território russo, que Moscou diz incluir a península da Crimeia e quatro outras regiões ucranianas anexadas em setembro.

Reforço antiaéreo

No plano diplomático, antes do encontro entre o presidente Putin e do chefe de Estado turco, Recep Tayyip Erdogan, na quinta-feira (13) no Cazaquistão, o Kremlin disse nesta quarta que espera que Ancara apresente uma proposta de mediação "oficial".

"Os turcos propõem mediação. Em caso de negociações, provavelmente elas ocorrerão em seu território: em Istambul ou Ancara", disse o assessor de política externa do Kremlin, Yuri Ushakov.

E a União Europeia concordou em organizar uma ampla missão militar para treinar as forças ucranianas em vários Estados-membros do bloco. A medida pode afetar 15.000 soldados, segundo fontes diplomáticas.

Em uma dessas regiões, Kherson, a presidência ucraniana anunciou a recuperação de mais cinco cidades em contraofensiva lançada em setembro no sul e leste do país.

"As forças armadas ucranianas libertaram mais cinco cidades no distrito de Berislav da região de Kherson: Novovasylivka, Novogrygorivka, Nova Kamyanka, Tryfonivka, Chervone", anunciou a presidência, notando, porém, que a artilharia russa resiste.

Desde setembro, as forças ucranianas obtiveram ganhos significativos nas linhas de frente graças a uma contraofensiva que levou Putin a ordenar a mobilização de centenas de milhares de reservistas.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, considerou na terça-feira (11)  que o colega russo "calculou mal" a capacidade de seu exército de conquistar a Ucrânia e a resistência que encontraria.

Os dois últimos dias de bombardeios russos, que deixaram ao menos 19 mortos, mais de 100 feridos e danos significativos em infraestruturas energéticas da Ucrânia, levaram os países ocidentais a acelerar o envio de sistemas de defesa antiaérea, há muito reivindicados por Kiev.

Na noite de terça-feira, o ministro da Defesa ucraniano, Oleksiy Reznikov, anunciou o recebimento do primeiro sistema de defesa alemão Iris-T e a chegada em breve de sistemas americanos NASAMS.

"Uma nova era de defesa aérea começou na Ucrânia", tuitou o ministro. "Este é apenas o começo. Precisamos de mais", acrescentou.

Na terça-feira, em uma reunião virtual com os líderes do G7, o presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, pediu ajuda para criar um "escudo antiaéreo" e alertou que a Rússia ainda tem "meios para intensificar sua ofensiva".

Antes de uma reunião da Otan nesta quarta, seu secretário-geral, Jens Stoltenberg, assegurou que "a maior prioridade [da reunião] será uma maior defesa aérea para a Ucrânia".

Valas comuns

Além de danificar infraestruturas de energia, os bombardeios atingiram o centro de Kiev, destruindo um parquinho infantil, uma ponte e uma zona de pedestres. A capital ucraniana não recebia ataques desde o final de junho.

No leste, um ataque russo contra um mercado na cidade de Avdiïvka, perto da linha de frente, fez ao menos sete mortos, anunciou o governador ucraniano da região de Donetsk, Pavlo Kyrylenko.

"Ao menos 7 mortos e 8 feridos após um bombardeio matinal em Avdiïvka. Os russos atacaram o mercado central, onde estavam muitas pessoas naquele momento", explicou no Telegram.

Também no leste, as autoridades ucranianas relataram a descoberta de duas novas valas comuns em cidades da região de Donetsk recentemente recuperadas. Em Lyman, um entroncamento ferroviário reconquistado no início do mês, uma equipe forense exumou dezenas de corpos, confirmou um jornalista da AFP.

"Já encontramos mais de 50 corpos de soldados e civis. Temos uma longa vala, uma vala comum, onde descobrimos corpos e partes de corpos", explicou Pavlo Kirilenko, governador da região.

A Rússia foi acusada de inúmeras atrocidades nas regiões ocupadas que mais tarde foram retomadas por Kiev. Moscou tem negado consistentemente o envolvimento de seus soldados nesses eventos.

Últimas