Minas Gerais Acusados de matar fisiculturista em boate de BH vão a júri popular

Acusados de matar fisiculturista em boate de BH vão a júri popular

Segundo a denúncia do MP, dois homens espancaram e outros dois deram cobertura para o crime, que aconteceu em setembro de 2017

Allan foi espancado e morreu em boate

Allan foi espancado e morreu em boate

Reprodução / Facebook

Quatro seguranças de uma boate no bairro Olhos D'Água, em Belo Horizonte,  acusados de matar o fisiculturista Allan Guimarães Pontelo, em setembro de 2017, vão a júri popular. A decisão foi tomada pelo juiz Marcelo Rodrigues Fioravante, do 1º Tribunal do Júri da capital mineira. 

O crime aconteceu no dia 2 de setembro de 2017, na casa noturna Hangar 677. De acordo com a denúncia do Ministério Público, dois seguranças abordaram Allan e o conduziram a uma área restrita para fazer uma "revista". 

O estudante de educação física e fisiculturista, então, recusou a passar pelo procedimento e foi espancado com chutes e socos, imobilizado e estrangulado até a morte. Segundo o laudo de necropsia, a causa da morte foi definida por "asfixia mecânica por constrição extrínseca do pescoço", além de diversas lesões no corpo.

Ainda de acordo com a denúncia do MP, outros dois seguranças colaboraram para o crime "colocando-se armados, como força reserva, prontos para interferir para garantir o êxito da ação da criminosa", e teriam impedido que outras pessoas tentassem ajudar Allan.

Além dos quatro acusados, um quinto suspeito ainda está foragido e, portanto, não respondeu ao processo. Dois deles estão presos preventivamente e outros dois estão sendo monitorados por meio de uma tornozeleira eletrônica. 

Últimas