Minas Gerais Auditoria em empresas de ônibus de BH foi feita por amostragem

Auditoria em empresas de ônibus de BH foi feita por amostragem

Diretor da BHTrans afirmou que consultoria contratada para realizar o serviço não verificou o mês a mês da documentação

Diretor disse que não fiscalizou toda a documentação

Diretor disse que não fiscalizou toda a documentação

Divulgação / CMBH / Karoline Barreto

Daniel Marx Couto, diretor de Planejamento e Informação da BHTrans (Empresa de Transportes e Trânsito), revelou, nesta quarta-feira (23), que a auditoria realizada nas contas das companhias de ônibus que atuam na cidade aconteceu por amostragem e não considerando toda a documentação, mês a mês.

A informação foi revelada durante depoimento prestado na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga a BHTrans na Câmara Municipal.

A auditoria aconteceu em 2018, a pedido da prefeitura. Na época, Couto era o funcionário da BHTrans responsável por fiscalizar o trabalho realizado pela Maciel Consultores. O servidor relatou que, em alguns casos, como o das notas de gastos com combustíveis, foi considerado a amostragem de dois meses devido à dificuldade de acesso à documentação das empresas de ônibus.

Leia também: Presidente da BHTrans avalia que empresa precisa melhorar serviços

Durante a reunião da CPI, os vereadores relataram possíveis irregularidades na auditoria, como uso de notas fiscais de outras cidades. O diretor da BHTrans ponderou que, nestes casos, os documentos não deveriam ter entrado no relatório. Ainda segundo Couto, apesar de ser o responsável pela fiscalização, não cabia a sua equipe analisar todo o processo.

— Se eu fosse fiscalizar 104 mil documentos seria um retrabalho

A auditoria questionada pela CPI concluiu, à época, que a passagem de ônibus em Belo Horizonte deveria custar R$ 6,35. Conforme contou Couto, a Maciel usou uma média de custos nacional para chegar ao valor. Na época, a tarifa em BH estava em R$ 4,05. Em seguida, foi ajustada para R$ 4,50.

A reportagem tenta contato com representantes da empresa de consultoria para comentar as declarações. A funcionária responsável por assinar o relatório em 2018 deve ser ouvida pela CPI nos próximos dias.

Últimas