Minas Gerais Avenida Cristiano Machado lidera ranking de acidentes e mortes em BH

Avenida Cristiano Machado lidera ranking de acidentes e mortes em BH

No ano passado, via teve 1.681 ocorrências de trânsito; oito pessoas morreram

Especialista defende que avenida devia ser uma via de trânsito rápido

Especialista defende que avenida devia ser uma via de trânsito rápido

PBH/Divulgação

Quem passa diariamente pela avenida Cristiano Machado, principal ligação entre o centro e a região nordeste de Belo Horizonte, não se surpreende com o resultado do levantamento do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar. A via é a campeã em acidentes e mortes na capital.

Segundo a corporação, em 2014 foram registradas 27.021 ocorrências de trânsito em vias urbanas da cidade. A Cristiano Machado aparece em primeiro lugar com 1.681. Em segundo está a avenida Amazonas, com 1.614 e, em seguida, a avenida do Contorno, que teve 1.116 ocorrências.

Leia mais notícias de Minas Gerais no R7

Para o tenente-coronel Cássio Soares Fernandes, comandante do batalhão, a extensão da via deve ser levada em consideração.

— Saindo do centro ela vai até a divisa com Santa Luzia, então ela tem realmente uma extensão muito grande. Em decorrência dela ligar uma região à outra, concentra um grande número de veículos.

Para o consultor em assuntos urbanos José Aparecido Ribeiro, o grande erro é a avenida não ser vista como via de trânsito rápido.

— O volume de tráfego da Cristiano Machado é uma via expressa, um corredor com fluxo intenso e que não deveria ter sinais para pedestres. Deveria, no lugar de sinais, ter passarelas.

Dos acidentes registrados na avenida, 30% acontecem entre o Túnel da Lagoinha e a avenida Bernardo Vasconcelos, no bairro Palmares. O policial explica que a área tem grande movimentação comercial.

— A gente tem uma área comercial muito grande nesse trecho, então concentra esse fluxo de veículos, de motocicletas e pessoas fazendo travessia indevidamente.

Mortes

Os acidentes ainda foram responsáveis pela morte de 91 pessoas no ano passado. Setenta delas eram pedestres ou ocupantes de motocicletas. Só na Cristiano Machado, três pessoas morreram atropeladas e outras cinco em acidentes com motos.

Em comparação com 2013, no entanto, houve redução de 27%. Para o comandante do Batalhão de Trânsito, o motivo é a integração do trabalho com a BHTrans e a Guarda Municipal, além do aumento da fiscalização, inclusive com radares.

Últimas