Minas Gerais Buser cancela volta de turistas do RJ para MG às vésperas de viagem

Buser cancela volta de turistas do RJ para MG às vésperas de viagem

Mineiros que estavam em Cabo Frio para curtir o feriado e participar de noivado foram surpreendidos com aviso já no passeio

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Um grupo de turistas mineiros que passavam o fim de semana prolongado em Cabo Frio, no litoral do Rio de Janeiro, foi surpreendido no meio do passeio com o cancelamento da viagem que o traria de volta a Minas Gerais, nesta segunda-feira (15), feriado de Proclamação da República.

Empresa alegou falta de ônibus parceiro disponível

Empresa alegou falta de ônibus parceiro disponível

Reprodução/Buser

A contadora Nayara Pires relata que ela e os amigos receberam um comunicado da Buser, plataforma de transporte fretado conhecida como a Uber dos ônibus, na noite do sábado (13), enquanto já estavam curtindo o descanso na praia fluminense. A empresa, que trabalha com companhias parceiras, alegou que não encontrou ônibus disponível para realizar a viagem.

"Recebemos uma mensagem sem demais explicações, só avisando que a nossa volta estava cancelada, sem garantir como faríamos para voltar. Apenas disseram que poderíamos solicitar o reembolso, o que no nosso caso não resolve muita coisa, já que não tínhamos outro meio de voltar para casa", detalhou a contadora.

Grupo teve que comprar passagens 3 vezes mais caras

Grupo teve que comprar passagens 3 vezes mais caras

Luiz Casoni / Record TV Minas

Com a suspensão da viagem, o grupo perdeu parte da programação tentando encontrar uma nova forma de retornar a Belo Horizonte, de onde seguirão até Sete Lagoas, a 70 quilômetros da capital mineira.

A corretora Rafaela Lima seria pedida em noivado, de surpresa, durante o encontro dos amigos, mas os planos foram frustrados.

"Acabamos tendo que cancelar a reserva no restaurante para podermos resolver a questão da viagem, já que não tínhamos como voltar", lembra Rafaela. Fora do local planejado, restou ao noivo fazer o pedido oficial na praia, após conseguirem garantir um transporte de volta.

"A forma que encontramos foi comprar uma passagem de linha rodoviária regular com o valor três vezes maior do que tínhamos pago na Buser. Demos sorte de encontrar essa opção, apesar do prejuízo", explicou Nayara Pires, amiga do casal.

Resposta

Em nota, a Buser lamentou o ocorrido e detalhou que o modelo de fretamento oferecido pela empresa permite o cancelamento das viagens com no mínimo de 48 horas de antecedência, a depender da demanda.

A empresa também se comprometeu a reembolsar os passageiros pelas despesas extras e oferecer um cupom de desconto, além de restituir o valor já pago pela viagem cancelada.

"A plataforma lembra que a confirmação de uma viagem no modelo de fretamento colaborativo depende de vários fatores, como o número de pessoas interessadas na rota, mas o sistema da Buser sempre avalia e calcula o quanto esses fatores podem mudar com base no tempo que falta para o deslocamento ocorrer. Caso a viagem não seja confirmada, a plataforma se compromete a avisar com no mínimo 48 horas de antecedência sobre a impossibilidade do trajeto, que foi o que aconteceu nesse caso", explicou a Buser.

Nayara, no entanto, lembra que já havia recebido a confirmação dos trechos: "Tivemos as confirmações, tanto da ida quanto da volta, antes de sair de Minas Gerais".

A servidora pública Tatiane Souza confirma que foi procurada pela equipe da Buser após a reportagem acionar a companhia. "A atendente me ligou, disse que eles iriam cobrir os gastos que tivermos para voltar e me deixou um número de telefone para eu enviar as notas fiscais", detalhou.

Regras mais duras

O modo de operação de empresas de fretamento como a Buser esteve em pauta nas últimas semanas na ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais). Os deputados aprovaram um projeto que endurece as regras para o setor no estado.

Entre as normas aprovadas, fica mantida a autorização para realização de viagens apenas com o “circuito fechado”. Assim, os trechos de ida e volta devem ser feitos pelos mesmos passageiros, com a mesma motivação e com os mesmos pontos de origem e destino na ida e na volta. Também não pode haver emissão de passagem individual.

Outra regra se refere à lista de passageiros, que precisará ser encaminhada ao DER/MG (Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais), com antecedência mínima de seis horas. A lista tem possibilidade da alteração de dois passageiros (ou 20% da capacidade do veículo) até o momento do início da viagem.

O governador Romeu Zema (Novo) tentou retirar algumas restrições impostas pelos parlamentares, mas os vetos do político foram derrubados na última quarta-feira (10). A Buser informou que vai recorrer à Justiça contra a decisão dos legisladores.

Veja a íntegra da nota da Buser:

"A Buser lamenta profundamente o cancelamento da viagem que sairia de Cabo Frio com destino a Belo Horizonte nesta segunda, 15/11, e esclarece que o caso se deu devido à indisponibilidade de empresas de fretamento para fazer o trajeto, por conta da alta demanda no feriado.

A plataforma lembra que a confirmação de uma viagem no modelo de fretamento colaborativo depende de vários fatores, como o número de pessoas interessadas na rota, mas o sistema da Buser sempre avalia e calcula o quanto esses fatores podem mudar com base no tempo que falta para o deslocamento ocorrer. Caso a viagem não seja confirmada, a plataforma se compromete a avisar com no mínimo 48 horas de antecedência sobre a impossibilidade do trajeto, que foi o que aconteceu nesse caso.

Além de garantir a restituição do valor da viagem, bem como o reembolso das despesas feitas por cada um dos passageiros, a empresa está oferecendo cortesia e cupons de desconto aos passageiros que foram prejudicados, para que possam voltar a viajar com a Buser e ter uma nova experiência".

Últimas