Minas Gerais Caminhoneiros de minério fazem paralisação na Grande BH

Caminhoneiros de minério fazem paralisação na Grande BH

Grupo critica os aumentos registrados no preço do combustível e pedem que as mineradoras paguem adequarem o valor dos fretes

  • Minas Gerais | Regiane Moreira, da Record TV Minas

Caminhoneiros autônomos responsáveis pelo transporte de minério fazem paralisação desde o último domingo (21) em vários pontos da região metropolitana de Belo Horizonte. Eles protestam contra os constantes reajustes no preço do óleo diesel e pedem ajustes no valor dos fretes.

Segundo os manifestares, o movimento conta com o apoio de três mil profissionais. Para aumentar a adesão, os motoristas abordam outros caminhoneiros e explicam o motivo do protesto. Alexandre Blon diz que o trabalho está prejudicado pelos custos.

Veja: A Petrobrás me tira o gás

— Estamos trabalhando e está muito defasado em relação ao abastecimento. Atualmente, trabalhamos com um valor em que o óleo está acima do que conseguimos arcar. Este valor representa quase 60%, é o que gastamos nos nossos caminhões.

Um grupo se reuniu às margens da BR-381, em Betim, na Grande BH. Além de protestar contra a alta do preço do diesel, a categoria pede uma mudança na política de cobrança do frete. De acordo com Jean Carlos dos Santos,  os caminhoneiros querem que o valor seja três vezes maior que o preço do combustível.

— Quando pegarmos um frete em que, se o valor gastado em óleo disel for aproximadamente R$ 300, o frete precisa ser R$ 1.000, porque esses R$ 300 serão utilizados como gasto de combustível e os outros 70% serão destinados para a manutenção do veículo e nossa margem de lucro.

Protesto acontece desde domingo (21)

Protesto acontece desde domingo (21)

Reprodução/Record TV Minas

Reajustes

Somente neste ano, o óleo diesel teve uma alta de 27,5% nas refinarias. Foram três reajustes desde janeiro. O impacto é direto em toda a cadeia produtiva e influencia o custo do transporte de produtos, dos alimentos e também dos passageiros do transporte coletivo.

O Sintram (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano) se manifestou dizendo que a alta no preço do combustível agrava o quadro financeiro das empresas que atuam nas 34 cidades da região metropolitana de Belo Horizonte, gerando um impacto de 5,8% na planilha de custos das operadoras.

Protestos de caminhoneiros

Em 2018, os caminhoneiros também se uniram contra a alta no preço do óleo diesel e pararam suas atividades durante 10 dias. A greve provocou desabastecimento de alimentos, medicamentos e combustíveis.

Cerca de 60% do que é consumido no Brasil é transportado pelas rodovias e, movimentos nesse sentido, podem provocar um grande impacto para os consumidores. Um dos caminhoneiros, Samuel Damcreses, não descarta a possibilidade de uma nova greve geral.

— Com os aumentos que vêm acontecendo, já estamos defasados há mais de dois anos. O frete é o mesmo e os aumentos vêm vindo. Está insustentável para manter o equipamento e continuarmos a fazer o escoamento do minério.

Os caminhoneiros que transportam minério afirmam que vão ficar parados até que um acordo seja feito com as mineradoras e as transportadoras. Segundo eles, já foram feitas propostas, que são avaliadas para uma definição em conjunto.

Últimas