Minas Gerais Construtora pede "desculpas" por prédio que tombou em Betim (MG) 

Construtora pede "desculpas" por prédio que tombou em Betim (MG) 

Empresa se manifestou pela primeira vez após sete dias do ocorrido; comunicado diz que a companhia aguarda perícia para saber causas da falha

Estrutura deve ser demolida nesta quarta-feira (25)

Estrutura deve ser demolida nesta quarta-feira (25)

Reprodução / Record TV Minas

A construtora responsável pelo prédio que tombou em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, se manifestou, pela primeira vez, na noite desta terça-feira (25). A empresa, por meio de nota, pediu "desculpas" aos moradores vizinhos à construção e aos compradores dos imóveis. 

Segundo o texto da empresa Abrahim Hamza Construção Eirelli, o pedido de "sinceras desculpas" é para todos os "moradores vizinhos ao prédio, aos compradores, e a toda a população Betinense". A direção da companhia ainda agradeceu os trabalhos da Prefeitura de Betim com os atingidos no imbróglio. 

A nota destaca que o dono da construtora, Abrahim Hamza, de 70 anos, teve que ser hospitalizado após "receber a notícia do ocorrido", o que causou um "grande abalo emocional e psíquico", diz a construtora. Por causa disso, a nota ainda destacou que o idoso deve "evitar notícias que podem lhe causar grandes emoções". 

Ainda segundo o informativo da empresa, foi ajuizado "uma ação, visando apurar os fatos ocorridos", além de requerer um perito judicial para que ele avalie de "de forma técnica a causa do tombamento do prédio". A empresa ainda ressaltou que a tragédia foi apenas "de natureza material". 

Demolição

A expectativa da Prefeitura de Betim é de que o prédio começe a ser demolido nesta quarta-feira (25). Máquinas da empresa contratada pelo órgão para realizar a operação já estão no local. Ao todo, a demolição custará R$ 250 mil e será paga pela construtora responsável pela obra. 

A construtora tentou adiar o procedimento de demolição do prédio, alegando que a operação só poderia ser feita após uma perícia para tentar descobrir as causas do problema e se o engenheiro da obra tinha relação com a falha. O pedido foi negado pela Justiça.

A operação foi autorizada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, nesta terça-feira (23). Os escombros não serão retirados do local porque mesmo depois da demolição, uma perícia será feita para apontar as causas do tombamento. 

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas