Minas Gerais Empresário mineiro suspeita que ex-gerente tenha desviado R$ 500 mil

Empresário mineiro suspeita que ex-gerente tenha desviado R$ 500 mil

Cristiano Nenety afirma que ex-gerente financeira teria desviado valores durante cerca de três anos; Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso

  • Minas Gerais | Camila Cambraia, da Record TV Minas

Um dos maiores empresários do setor de shows e eventos de Minas Gerais acusa uma ex-funcionária de ter desviado R$ 500 mil das contas da empresa. O esquema teria começado há cerca de três anos.

Em 20 anos, a empresa administrada por Cristiano Nenety já organizou centenas de eventos e vendeu milhões de ingressos. Segundo o empresário, durante a pandemia da covid-19, a responsável pelo setor financeiro afirmou que a empresa estava com saldo negativo nas contas. Ao conferir os registros bancários, Nenety percebeu que havia algo errado.

— Fazia sentido a empresa estar “no vermelho”, já que temos que adiantar os cachês dos artistas. Mas o valor apresentado era muito grande.

Auditoria teria comprovado desvios de R$ 500 mil

Auditoria teria comprovado desvios de R$ 500 mil

Reprodução / Record TV Minas

O empresário decidiu contratar uma empresa de auditoria para descobrir onde estava o valor, que deveria estar guardado. Após a investigação, os auditores identificaram que, durante três anos, a gerente financeira se utilizou de boletos fraudados e diversas contas bancárias para desviar R$ 500 mil das contas da empresa.

Veja: Operação investiga fraudes no programa Bolsa Moradia em MG

De acordo com a auditoria, a funcionária preenchia dois boletos, um com os dados dos artistas ou agentes e outro com dados dela própria. Nenety afirma que, diariamente, foram desviados valores de até R$ 1.500. Ele acredita que o valor desviado possa ser ainda maior, já que há a suspeita de que a funcionária pagava contas pessoais com o dinheiro da empresa.

A funcionária foi demitida por justa causa e o empresário registrou um boletim de ocorrência. A Polícia Civil de Minas Gerais já abriu um inquérito e pediu para Ministério Público bloquear as contas da ex-gerente. Por telefone, o advogado da acusada afirmou que ela não quer se pronunciar sobre o caso.

Últimas