Fabricantes de cigarro sonegaram R$ 100 milhões em impostos, diz MP

Operação combate fraudes na produção e nas vendas do produto no interior de Minas Gerais; 50 mandados de busca e apreensão foram cumpridos

Polícia fez buscas em 10 cidades em MG e GO

Polícia fez buscas em 10 cidades em MG e GO

Divulgação / MPMG

A Polícia Civil de Minas Gerais e o Ministério Público Estadual realizaram, nesta terça-feira (6), uma operação contra sonegação de impostos na venda e produção de cigarros de palha no Estado. Segundo as investigações, Minas deixou de arrecadar R$ 100 milhões devido a fraudes de fabricantes.

A operação cumpre 50 mandados de busca e apreensão nas cidades mineiras de Belo Horizonte, Betim, Lassance, Martinho Campos, Pompéu, Sete Lagoas, Uberlândia e Várzea da Palma e em dois municípios do Estado de Goiás: Goiatuba e Ouvidor. Entre os alvos, estão fábricas, propriedades rurais, gráficas, comércios, escritórios de contabilidade e casas de envolvidos no esquema.

Mais de 90% das marcas de cigarro de palha vendidas no Brasil são ilegais

De acordo com as investigações, as empresas também estariam falsificando marcas reconhecidas no mercado. Em alguns casos, os fabricantes oficiais estariam favorecendo a pirataria, com a revenda de fumo não usado na produção oficial. Ainda há suspeita de crimes de lavagem de dinheiro.

A operação foi batizada de “Porronca", em referência ao modo como o cigarro de palha é conhecido no interior de Minas Gerais.