Minas Gerais Influencer preso promovia festas para aliciar jovens de 13 a 15 anos

Influencer preso promovia festas para aliciar jovens de 13 a 15 anos

Rodrigo Fiuza foi preso em 18 de novembro, durante investigações da Polícia Civil; ele é suspeito de organizar festas onde as jovens era aliciadas

  • Minas Gerais | Camila Cambraia, da Record TV Minas

O influencer Rodrigo Fiuza, preso suspeito de exploração sexual, é apontado pela Polícia Civil de Minas Gerais como o responsável por organizar festas em que eram aliciadas meninas menores de idade. Os investigadores apontam a preferência por jovens com idade entre 13 e 15 anos.

Fiuza ficou famoso por praticar esportes radicais. Além de ter quase 100 mil seguidores nas redes sociais, ele foi candidato a vereador nas últimas eleições, recebendo apenas 62 votos. De acordo com a delegada Renata Ribeiro, o influencer é apontado como o mentor de uma organização criminosa que aliciava e explorava adolescentes na capital.

— Todos os investigados eram influenciadores, tinham vários seguidores. Alguns forneciam bebida alcoólica, outros aliciavam. Um deles também teria se relacionado com uma menor de idade.

A investigação começou em maio deste ano, após a mãe de uma das menores aliciadas denunciar o crime. A jovem tinha 15 anos na época e teve fotos íntimas divulgadas nas redes sociais.

Influencer é suspeito de aliciar menores de idade em BH

Influencer é suspeito de aliciar menores de idade em BH

Reprodução / Record TV Minas

Festas

De acordo com a investigação, as festas eram regadas a álcool e drogas e eram realizadas em uma casa na região da Pampulha, em que estavam presentes alguns amigos de Fiuza. Segundo a delegada, eram nessas ocasiões que as jovens eram aliciadas pelo grupo.

— Em certo momento, elas eram indicadas por um dos suspeitos a saírem com algum convidado mediante pagamento em dinheiro ou com presentes.

O valor pago pelas relações sexuais variava de R$ 200 a R$ 700. Apesar disso, os suspeitos alegaram, durante depoimento, que não lucravam com o esquema e que estariam apenas “ajudando” as adolescentes.

O último preso foi localizado apenas duas semanas após a prisão dos primeiros suspeitos. Ele é dono de uma gráfica na região Oeste de Belo Horizonte. No local, foram encontrados HDs com imagens de pornografia infantil.

Além dos quatro presos, outras cinco pessoas foram indiciadas por exploração sexual e fornecimento de imagens de pornografia infantil. Até o momento, 10 adolescentes foram ouvidas, mas a Polícia Civil informou que outras jovens procuraram a delegacia após a divulgação da reportagem.

Últimas