Minas Gerais Médico de BH critica uso de máscara e oferece atestado para dispensá-lo

Médico de BH critica uso de máscara e oferece atestado para dispensá-lo

Durante evento na cidade, o ginecologista e nutrólogo Sérgio Marcussi classificou o item de proteção como um "instrumento de cabresto"

  • Minas Gerais | Luiz Casoni, da Record TV Minas

Um médico de Belo Horizonte foi filmado em um evento criticando o uso das máscaras contra a covid-19. Nas redes sociais, o ginecologista e nutrólogo Sérgio Marcussi também oferecia atestados médicos para dispensar o uso do item de proteção.

A gravação foi feita durante um evento político, na capital mineira, nesta terça-feira (27).

"Fiquei muito satisfeito quando cheguei aqui [no evento] e vi todos conscientes, sem máscara. Porque é isso que é o normal da sociedade. A questão da máscara é um instrumento de cabresto. É um cabresto social eu não tenho dúvida", disse o médico.

Médico criticou o uso da máscara em discurso

Médico criticou o uso da máscara em discurso

Reprodução/Record TV Minas

Ainda no vídeo, Marcussi tentou convencer os participantes que a máscara faz mal à saúde. Em seguida, ele sugere que as pessoas peguem atestado e, assim, evitem questionamentos e possíveis complicações legais.

Na gravação, o médico cita o trecho de uma lei n° 14.019, sancionada pelo Governo Federal no dia 2 de julho, que dispensa o uso obrigatório da máscara para pessoas que são portadoras de transtornos como autismo, deficiência intelectual e deficiência sensoriais, ou outra qualquer doença que impeça de fazer o uso adequado da proteção.

Em seu discurso, o médico diz ainda que a pandemia é um "golpe". Em uma rede social, o médico afirmou ter concedido, em um único dia, 20 atestados liberando do uso da máscara.

Médico afirma que concedeu 20 atestados

Médico afirma que concedeu 20 atestados

Reprodução/Redes Sociais

Repercussão

O  CRM (Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais) informou que vai apurar os fatos. Uma reunião do órgão está prevista para esta quarta-feira (28).

Depois da repercussão, o ginecologista e nutrólogo, que atende em um prédio localizado na Savassi, na região Centro-Sul de BH, apagou sua conta da rede social, onde costumava fazer posts sobre os polêmicos atestados. 

Procurado pela reportagem, Sérgio Marcussi voltou a defender que a lei federal resguada o direito de pessoas com "quaisquer deficiências" serem liberadas do uso das máscaras. O médico disse, ainda, que não quer comentar sobre o caso.

Proteção essencial

O infectologista Estevão Urbano, presidente da Associação Mineira de Infectologia, o uso da máscara é importante e deve ser mantido porque tem ajudado a controlar a transmissão da covid-19. 

— Várias consequências podem acontecer com pessoas que não usam a máscara. Um deles é o próprio risco individual. Como o vírus continua circulando, por mais que você tenha uma queda no número de casos, de internações e de óbitos, o próximo pode ser você. Segundo, você pode ter problemas de se contaminar, não ter sintomas, mas transmití-la.

Em Belo Horizonte, quem for flagrado sem o uso da máscara pode ser multado em R$ 100 e ter o nome incluído na dívida ativa do município.

Últimas