Minas Gerais MG: mãe de gêmeos mortos após queda de fogão é usuária de drogas, diz PM 

MG: mãe de gêmeos mortos após queda de fogão é usuária de drogas, diz PM 

Testemunhas contaram à polícia que não era a primeira vez que bebês ficavam sozinhos em casa; jovem foi presa após as mortes

  • Minas Gerais | Vinícius Araújo, da Record TV Minas

Mãe das crianças foi presa por abandono de incapaz

Mãe das crianças foi presa por abandono de incapaz

Reprodução/Record TV Minas

A jovem de 20 anos que foi presa após abandonar os filhos em casa, em Ribeirão das Neves (MG), tem envolvimento com drogas, segundo informações da Polícia Militar. Os gêmeos, de 1 ano, morreram após um fogão cair sobre eles. As crianças estavam sozinhas em casa havia cerca de três horas. 

“Ela se diz usuária de drogas, e alguns populares falaram que alguns dias atrás ela tinha a prática de deixar as crianças sozinhas", relatou o major Ravilson dos Santos, que atendeu à ocorrência. 

Os dois meninos tinham marcas no peito, mas não foi possível concluir como a queda do eletrodoméstico aconteceu, de acordo com os militares. A mãe, Samara Estefani Santos de Deus, confessou aos agentes que havia encontrado os meninos mortos. 

De acordo com a polícia, na casa vivem quatro crianças. A mãe teria ido à casa dos avós com dois filhos e deixado os gêmeos em casa. Quando voltou, encontrou os bebês mortos, pegou um dos meninos e voltou para a casa da mãe, onde confirmou que a criança já estava sem vida. Samara teria pedido à irmã que deixasse o bebê morto ao lado do irmão e, segundo ela, foi tomar banho antes de chamar a polícia. 

Após as mortes, a comunidade ameaçou linchar a mãe dos bebês. Segundo moradores, ela tinha o costume de deixar as crianças sozinhas na residência. O pai dos meninos não estava em casa. Ele afirmou que a esposa tinha o costume de ser “enérgica” com as crianças mas nunca teria cometido maus-tratos. 

A jovem foi presa sob a acusação de abandono de incapaz. “O incapaz tem que estar sempre assistido, o responsável tem que estar sempre junto. Caso a comunidade verifique que isto não está acontecendo de alguma forma, que acione a Polícia Militar, que denuncie pelo 181, ligue para o 190, para que as medidas possam ser tomadas”, disse o major Ravilson dos Santos.

Últimas