Minas Gerais Morre a elefanta Beré, um dos animais mais antigos do zoológico de BH

Morre a elefanta Beré, um dos animais mais antigos do zoológico de BH

Animal chegou à capital mineira em 1977, com apenas dois anos de idade, e teve dois filhotes, algo inédito no Brasil

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7

Beré chegou ao zoológico de BH em 1977 e teve dois filhotes no local

Beré chegou ao zoológico de BH em 1977 e teve dois filhotes no local

Divulgação/PBH/Suziane Fonseca

Morreu nesta quinta-feira (14), no Jardim Zoológico de Belo Horizonte, a elefanta Beré, que tinha 46 anos de idade. Ela era um dos animais mais antigos do local. A notícia foi confirmada pela Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica, que informou que o animal estava sob tratamento veterinário desde o dia 5 de julho deste ano. 

De acordo com a instituição, a causa da morte foi uma infecção generalizada decorrente de infecções uterina e pulmonar. No entanto, o laudo com o resultado dos exames post mortem só deve ser concluído após 30 dias. 

Beré esteve sob cuidados intensivos nos últimos meses, com o apoio de professores da Escola de Veterinária da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), e passou por diversos tipos de exame. Mas ela não respondeu ao tratamento. 

História

Beré chegou ao zoológico de Belo Horizonte em 1977, com apenas dois anos de idade, e, nesse período, teve dois filhotes: Axé, que vive na capital mineira, e Chocolate, que foi transferido para o zoológico de Brasília. 

O zoológico da capital mineira é a única instituição brasileira que já registrou reprodução de elefantes-africanos, espécie ameaçada de extinção. Com o falecimento de Beré, permanece no local o casal Jamba e Axé.

Últimas