Minas Gerais Motorista de app é encontrado morto em matagal na Grande BH

Motorista de app é encontrado morto em matagal na Grande BH

Anderson Coelho Alves, de 27 anos, estava desaparecido desde o dia 31 de dezembro; Polícia Militar prendeu dois suspeitos do crime

  • Minas Gerais | Hélverte Moreira e Raquel Rocha, da Record TV Minas

O corpo de um motorista de aplicativo que estava desaparecido desde a última quinta-feira (31) foi encontrado em um matagal em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Anderson Coelho Alves, de 27 anos, morava em Confins, também na Grande BH, e havia saído para trabalhar na véspera de ano novo, mas não voltou para casa. Preocupados, os familiares acionaram a Polícia Militar, mas decidiram que também iriam procurar o motorista por conta própria.

No sábado (2), a Polícia Militar encontrou o carro da vítima em um matagal na zona rural de Vespasiano. O corpo de Alves foi encontrado por seu irmão, Alisson Alves, a poucos metros do local. De acordo com o sargento Arlindo Lima, as condições do cadáver indicam que o motorista foi morto na virada do ano.

Corpo do motorista foi encontrado em um matagal

Corpo do motorista foi encontrado em um matagal

Reprodução / Record TV Minas

— A perícia não encontrou nenhuma perfuração ou corte, mas os pés e mãos da vítima estavam amarrados com cabos de celular.

Duas horas após identificar o corpo do motorista, a PM prendeu dois suspeitos do assassinato. Segundo a corporação, João Vitor, de 18 anos, e Leandro Rodrigues, de 19 anos, confessaram o crime. O jovens afirmaram a polícia que tinham a intenção de roubar o motorista. .

Veja: Motorista de aplicativo de BH desaparece e família faz apelo

Condição do corpo não permitiu abertura do caixão

Condição do corpo não permitiu abertura do caixão

Reprodução / Record TV Minas

Anderson Coelho Alves foi enterrado neste domingo (3) em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte. Devido ao estado do corpo, o caixão foi lacrado. Muito abalados, os familiares preferiram ficar em um local reservado. Um grupo de motoristas de aplicativo da capital mineira foi até o velório para prestar uma homenagem ao companheiro de profissão.

O irmão da vítima disse estar revoltado com o crime.

— É muita covardia o que esses dois fizeram. Eles não são seres humanos. Por que não pegaram o carro, o dinheiro e soltaram meu irmão numa rodovia? Não tem necessidade de matar. Ele só estava trabalhando.

Últimas