Minas Gerais Motorista que causou morte de avô e neta é indiciado por homicídio

Motorista que causou morte de avô e neta é indiciado por homicídio

Condutor estava embriagado e acima da velocidade quando atingiu outro carro na região Noroeste de BH, em janeiro deste ano

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento e Célio Ribeiro*, do R7

Avô e neta morreram carbonizados após batida

Avô e neta morreram carbonizados após batida

Reprodução / Record TV Minas

A Polícia Civil indiciou, nesta sexta-feira (18), o motorista que causou o acidente em que morreram um idoso e sua neta, em janeiro deste ano, em Belo Horizonte. O suspeito vai responder por homicídio e lesão corporal dolosos, quando há a intenção de matar.

Alexsandro Domingos, de 46 anos, dirigia um carro de luxo da Mercedes-Benz quando atingiu um outro veículo onde estava a família. Aleyson Machado Carmo, de 65 anos, e Ana Beatriz Dias Carmo, de 14, morreram carbonizados. Outras duas pessoas que estavam no carro ficaram feridas. De acordo com os militares, o suspeito passou por teste do bafômetro, que acusou 0,76 miligramas por litro, o que é considerado crime de trânsito.

O delegado responsável pelo caso, Rodrigo Fagundes, ressaltou o fato de que o motorista já havia sido flagrado dirigindo sob o efeito de álcool e que, mesmo assim, “não havia aprendido as lições”.

— O condutor não tem a menor condição de continuar dirigindo pelas ruas da cidade, do país e do mundo. Eu mesmo o autuei por embriaguez ao volante em 2020. Na época ele também feriu pessoas. Não aprendeu a lição e agora acabou entrando em uma situação muito mais grave.

De acordo com os investigadores, o motorista confessou ter bebido antes do acidente e que estava, pelo menos, 10 km/h acima do limite permitido na via. Na época do acidente, foi levantada a hipótese de que o condutor estava participando de um "racha", mas a investigação não conseguiu provas para confirmar essa possibilidade, que foi descartada

A Polícia Civil também entrou com um pedido para que a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) do motorista seja cassada e que ele seja proibido de dirigir. O condutor tinha 91 pontos no documento, sendo que o máximo permitido é 40. A reportagem tenta contato com o motorista indiciado.

A defesa de Alexsandro Domingos alega que ainda não teve acesso às informações do indiciamento por parte da Polícia Civil e, por isso, ainda não irá se posicionar.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas