Minas Gerais Motoristas de ônibus de BH farão nova greve a partir desta quinta

Motoristas de ônibus de BH farão nova greve a partir desta quinta

Categoria rejeitou a proposta de negociação salarial apresentada pelas empresas; paralisação é por tempo indeterminado

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Motoristas prometem escala mínima de 60%

Motoristas prometem escala mínima de 60%

Rodrigo Clemente/PBH

O Sindicato que representa os motoristas de ônibus de Belo Horizonte anunciou, na tarde desta quarta-feira (1º), que a categoria entrará em greve, novamente, a partir da 0h desta quinta-feira (2).

Paulo César da Silva, presidente do STTR-BH (Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de Belo Horizonte), explica que a decisão foi tomada após os trabalhadores rejeitarem a proposta de reajuste oferecida pelas empresas que operam o transporte na cidade.

Os termos do possível acordo foram debatidos em duas assembleias realizadas no decorrer do dia. De acordo com Silva, o Setra-BH (Sindicato das Empresas de Transporte Público de Belo Horizonte) ofereceu um aumento de 9% nos salários. Os motoristas, alegando falta de reajuste há dois anos, pedem, além dos 9%, mais 8% do acumulado deste ano do INPC (Índice de preços no consumidor).

"O percentual faz parte dos argumentos para rejeição, mas também temos itens da convenção coletiva que, de certa forma, não foram atendidos. Entre eles, [aqueles] sobre intervalo, vale-alimentação e férias", detalhou Silva.

O sindicato dos trabalhadores afirma que vai garantir a escala mínima de 60% da frota em operação, mas destaca que a greve será mantida por tempo indeterminado.

"Este foi o nosso ultimato. Não tem mais como esperar para chegar a um acordo. Agora vai depender da Justiça", disse o presidente do STTR-BH ao explicar que o pedido de reajuste será judicializado.

Procurado, o Setra-BH informou que acionou a Justiça para obrigar a circulação de 100% da frota de ônibus, sob pena de multa. O sindicato avaliou que o movimento causa "estranheza", já que foi ofertada a proposta de reajuste de 9% no salário e correção do auxílio-alientação no mesmo percentual, " mesmo diante do absoluto esgotamento financeiro das empresas de transporte da capital e da impossibilidade de arcarem com qualquer acréscimo de custos do sistema".

"Além da proposta apresentada ser satisfatória aos pleitos da classe laboral, o SetraBH formulou o mesmo índice proposto pelas empresas do sistema metropolitano e que foi aprovada em assembleia de 9 (nove) sindicatos de trabalhadores do transporte público da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)", completou o sindicato patronal em nota.

Negociações

A proposta dos empresários foi apresentada nesta semana, atendendo a um prazo acordado com a Justiça do Trabalho na última semana. Entre os últimos dias 22 e 23, os trabalhadores também cruzaram os braços cobrando uma oferta para a categoria. Na primeira paralisação, segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, menos de 30% dos ônibus saíram às ruas.

Até então, os patrões defendiam não oferecer nenhum reajuste, alegando crise financeira e o não aumento no preço da passagem de ônibus em BH. A última atualização de preço autorizada pelo município ocorreu em 2018, quando a tarifa subiu de R$ 4,25 para R$ 4,50.

Veja a íntegra da nota do Setra-BH:

"O SetraBH informa que, mesmo diante do absoluto esgotamento financeiro das empresas de transporte da capital e da impossibilidade de arcarem com qualquer acréscimo de custos do sistema, foi apresentada aos rodoviários, com o objetivo de cessar o movimento grevista e não prejudicar a população da capital, uma proposta de reajuste salarial de 9%, além de correção no auxílio alimentação no mesmo índice, dentre outras reivindicações da categoria.

Além da proposta apresentada ser satisfatória aos pleitos da classe laboral, o SetraBH formulou o mesmo índice proposto pelas empresas do sistema metropolitano e que foi aprovada em assembleia de 9 (nove) sindicatos de trabalhadores do transporte público da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

A notícia de rejeição da proposta por parte dos rodoviários da capital com a consequente retomada do movimento grevista a partir da meia-noite desta quinta-feira, dia 02 de dezembro de 2021, além de causar estranheza, sinaliza que a intenção desses trabalhadores é fazer uso da paralisação que muito prejudica toda a sociedade em detrimento de ganhos inviáveis e que jamais serão concedidos por parte das empresas.

Diante disso, o SetraBH protocolou, na tarde desta quarta-feira, petição direcionada ao Exmo Desembargador 1º vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho – TRT/MG requerendo a renovação da ordem judicial para determinar à categoria laboral a imediata e irrestrita manutenção de 100% (cem por cento) da frota em circulação sob pena de aplicação de multa."

Relembre os reflexos da greve da última semana em BH

Últimas