MP denuncia ministro do Turismo por candidaturas laranja do PSL

Promotor apresentou denúncia contra Marcelo Álvaro Antônio e outros 10 no mesmo dia em que a PF indiciou o ministro por falsidade ideológica eleitoral

Ministro foi indiciado pela PF e denunciado pelo MP no mesmo dia

Ministro foi indiciado pela PF e denunciado pelo MP no mesmo dia

Divulgação/Mtur/Roberto Castro

O Ministério Público em Minas entrou na Justiça, na tarde desta sexta-feira dia (4), com denúncia contra o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), por suposto envolvimento em um esquema de candidaturas laranja do PSL no Estado. Outras 10 pessoas também foram denunciadas pelo MP. 

Mais cedo, o ministro foi indiciado pela Polícia Federal pelos crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação de bens, recursos ou valores destinados ao financiamento eleitoral e associação criminosa.

Agora, cabe à Justiça decidir se acolhe ou não a denúncia. Em caso positivo, o processo é aberto e o ministro vira réu.

De acordo com o promotor de Justiça Fernando Abreu, as investigações apontam que o então presidente do PSL de Minas e candidato a deputado federal Marcelo Álvaro Antônio, mantinha contato com os assessores e coordenadores de campanha durante a disputa eleitoral e que o esquema das candidaturas laranja foi montado de forma prévia. 

— Consta nos autos uma planilha em que há registro de candidatos com potencial de voto e nenhuma das candidatas figura nessa planilha. Mais uma prova a demonstrar que, desde o momento inicial, havia intenção de receber recurso do fundo partidário, direcionar para candidaturas femininas e elas efetuarem o pagamento de despesas para outros candidatos. 

O R7 entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério do Turismo que reafirmou que Marcelo Álvaro Antônio ainda não foi informado oficialmente, nem sobre a denúncia do Ministério Público, nem sobre o indiciamento pela Polícia Federal. 

Em nota, o ministério disse que titular da pasta reafirma "sua confiança na Justiça e reforça sua convicção de que a verdade prevalecerá". O ministro também reiterou que "não cometeu qualquer irregularidade na campanha eleitoral de 2018". Segundo ele, a investigação "teve como base uma campanha difamatória e mentirosa".

Ao R7, o deputado estadual Professor Irineu disse ter recebido com surpresa a notícia de seu indiciamento pela PF. O parlamentar destaca que teve as contas aprovadas pelo TRE de Minas. 

"Apesar da surpresa, o deputado estadual manifesta sua confiança e respeito à Polícia Federal e ao Ministério Público, e se mantem tranquilo com relação ao desdobramento das apurações. O deputado segue com a serenidade da lisura de todos os seus atos", disse o deputado, em nota.

A reportagem também procurou o diretório estadual do PSL para comentar os indiciamentos, mas ainda não teve resposta. O advogado Robinson Fuchs Brasilino, que representa a legada, informou que não vai se manifestar em nome do partido.

Veja a íntegra da nota do Ministério do Turismo:

"O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, ainda não foi notificado oficialmente da decisão, mas reafirma sua confiança na Justiça e reforça sua convicção de que a verdade prevalecerá. Assim como vem declarando desde o início da investigação, que teve como base uma campanha difamatória e mentirosa, o ministro reitera que não cometeu qualquer irregularidade na campanha eleitoral de 2018. Vale lembrar que esta é apenas mais uma etapa de investigação e o ministro segue confiante de que ficará comprovada sua inocência."