Minas Gerais MP denuncia sócios e equipe de clínica veterinária por maus-tratos

MP denuncia sócios e equipe de clínica veterinária por maus-tratos

Empresa de Nova Lima (MG) é suspeita de retirar sangue de animais saudáveis e de não revelar morte para manter internação

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Donos da clínica veterinária foram denunciados

Donos da clínica veterinária foram denunciados

Reprodução

O MPMG (Ministério Público de Minas Gerais) ofereceu denúncia, nesta terça-feira (26), contra os sócios e funcionários da Animed (Clínica Veterinária Cuidado Animal), em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, por prática de tortura de animais e supostos golpes contra clientes.

Ao todo, 13 pessoas e a própria empresa foram acusadas. O caso foi revelado após operação do MP e da Polícia Civil realizada em novembro de 2019. Na época, Marcelo Dayrell e Franciele dos Santos, o casal dono do espaço, foram presos. Eles foram soltos após decisão judicial.

Segundo as investigações, o hospital veterinário praticava irregularidades como:

- Retirada de sangue de animais levados para banho e tosa sem autorização dos tutores, com o objetivo de venda;
- Postergação de comunicação ao tutor da morte do animal nas dependências da clínica, para estender o período de internação;
- Simulação de procedimentos em animais mortos;
- Prescrição de medicamentos desnecessários;
- Utilização de remédios proibidos, vencidos e com embalagem adulterada;
- Descarte irregular de lixo infectante para economizar na coleta própria; realização de procedimento cirúrgico sem a autorização do tutor;
- Ocultação de erros cometidos em cirurgias; congelamento de animal morto e posterior descongelamento para simular que o animal acabara de morrer;
- Diagnósticos falsos para justificar internações e tratamentos desnecessários.

"A empreitada criminosa foi levada a efeito com a participação, omissiva ou comissiva, dos médicos veterinários e dos gerentes que trabalhavam no local, além do advogado, que garantia que as determinações do sócio-administrador fossem seguidas e impedia o vazamento de informação ou denúncia às autoridades por parte de funcionários e clientes, por meio de intimidações relacionadas à adoção de medidas processuais ou administrativas contra quem se dispusesse a criticar a clínica", destacou o Ministério Público.

De acordo com o MP, os sócios, os dois gerentes, o advogado do estabelecimento e sete médicos veterinários são acusados de associação criminosa, prática de estelionato, descarte irregular de lixo infectante, maus-tratos a animais e venda de medicamentos proibidos, vencidos e com embalagens adulteradas. Uma pessoa foi denunciada por falso testemunho.

Na denúncia, o órgão pediu que a Justiça condene os réus ao pagamento de indenização pelos danos causados; à perda dos produtos dos crimes ou de qualquer bem ou valor que constitua proveito auferido com a prática do fato criminoso; à suspensão dos direitos políticos dos acusados; à liquidação forçada da pessoa jurídica constituída ou utilizada com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a prática de crimes ambientais; à perda do patrimônio da clínica.

Por fim, a promotoria também pede cautelarmente a suspensão do exercício profissional médico-veterinário dos sócios da clínica, o bloqueio de contas, bens e valores de todos os denunciados e a interdição do Hospital Veterinário Animed.

Procurado pela reportagem, o advogado Guilherme Coelho Colen, que defende o casal dono da clínica, afirmou que os fatos foram distorcidos e que os acusados vão se defender nos autos do processo. 

Relembre o caso:

Últimas