Minas Gerais MPF processa União e capitão da PM por torturas em índios Krenak na ditadura 

MPF processa União e capitão da PM por torturas em índios Krenak na ditadura 

Indígenas foram removidos da terra; presos não tinham julgamento e sofriam torturas

MPF processa União e capitão da PM por torturas em índios Krenak na ditadura 

Jovem carregado em pau de arara durante formatura da Guarda Rural Indígena é a única filmagem conhecida de tortura em ato oficial durante a ditadura

Jovem carregado em pau de arara durante formatura da Guarda Rural Indígena é a única filmagem conhecida de tortura em ato oficial durante a ditadura

Reprodução

Uma ação civil pública do Ministério Público Federal pede que a União e o Estado de Minas reconheçam as graves violações aos direitos humanos cometidos contra o povo Krenak durante a ditadura militar (1964-1985). A ação tramita desde dezembro de 2015. 

O capitão reformado da Polícia Militar, Manoel dos Santos Pinheiro, que comandava o reformatório onde os índios eram torturados, também é alvo da ação. O MPF pede que ele seja responsabilizado como autor das violações e, com isso, pague indenização por danos morais coletivos e perca benefícios da aposentadoria, honrarias e patentes que tenha alcançado na corporação. 

Leia mais notícias de Minas Gerais no Portal R7

Experimente grátis: todos os programas da Record na íntegra no R7 Play

Comissão da Verdade identifica casa da tortura em Belo Horizonte

Família de vítima de tortura mora em rua batizada com nome do torturador

A ação detalha trabalhos forçados, tortura e remoção forçada dos índios de suas terras, que ficam em Resplendor, no leste de Minas, às margens do rio Doce. As violações eram empreendidas em três eixos: a criação da Guarda Rural Indígena, com participação compulsória dos integrantes, a instalação do presídio “Reformatório Krenak”, que funcionava como centro de tortura e o deslocamento forçado para a fazenda Guarani, em Carmésia (MG), onde os índios também ficavam presos.   

A Comissão Nacional da Verdade estimou que pelo menos 8.350 indígenas tenham sido mortos durante o regime por agentes governamentais ou sua omissão. 

Torturas

O MPF reuniu depoimentos de prisioneiros que passaram pelo "reformatório" para mostrar que as detenções eram arbitrárias - por uso de bebida alcoólica ou terem saído da reserva, por exemplo - e seguidas de torturas. Para lá foram enviados indígenas de mais de 15 etnias de pelo menos onze Estados.   

Manelão Pankararu, de Pernambuco, conta como ocorria a tortura no local.   

— Havia uma cela conhecida como “cubículo”, eu escutava os índios gritando. Era ali que o índio tomava couro. Havia um pau de arara e também o “cachorro quente”, que era um aparelho que ficava jogando água do teto o tempo inteiro e o índio ficava dois dias numa cela molhada.   

A GRIN foi formada em 1969. No desfile de formatura da primeira turma, diante do então governador Israel Pinheiro, foi exibido um jovem pendurado em um "pau de arara" e carregado por outros índios. É a única filmagem de evento oficial da ditadura que mostra uma cena de tortura. O capitão Manoel Pinheiro comandava esta guarda.   

Pinheiro também comandou, em 1972, a remoção compulsória dos Krenak para a Fazenda Guarani, a 343 km de distância e péssimas condições sanitárias. Segundo o MPF, o objetivo do deslocamento era liberar a área para fazendeiros que, em 71, haviam perdido uma ação de reintegração contra o povo Krenak.   

—  Apesar de a ação ter sido decidida favoravelmente aos Krenak, foi acertada pelos réus a transferência dos indígenas para a Fazenda Guarani, deixando seu território aberto para os posseiros que haviam perdido a ação — observa o procurador regional Edmundo Antonio Dias, do Grupo de Trabalho Violações dos Direitos dos Povos Indígenas e Regime Militar.   

Em 1983, a Funai ajuizou uma ação contra o Estado e a Ruralminas e, em 93, o Supremo Tribunal Federal declarou a nulidade dos títulos de propriedade que tinham sido concedidos aos fazendeiros.      

Edmundo Dias lembra que os índios eram submetidos a punições que não eram previstas na legislação. 

— O reformatório era um presídio sem previsão legal, destinado a confinar indígenas. As condutas sequer eram previstas pela legislação penal e eles não eram submetidos a julgamento. Não podiam viver sua própria cultura, praticar seus rituais, conversar na língua materna. O deslocamento forçado para a Fazenda Guarani evidencia a intensificação, durante o regime militar, da desterritorialização sempre imposta aos indígenas.  

    Access log