Minas Gerais Mulher morta ao cair de prédio fez vídeo chamando amiga pra festa

Mulher morta ao cair de prédio fez vídeo chamando amiga pra festa

Imagens feitas por Hilma de Morais, de 38 anos, mostram ela na cobertura do prédio em frente a uma piscina: "pode vir que está bom", diz em um trecho 

  • Minas Gerais | Shirley Barroso, da Record TV Minas

Um vídeo gravado no dia em que Hilma de Morais, de 38 anos, morreu ao cair do parapeito de um prédio, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, mostrou a vítima na cobertura do apartamento do namorado convidando uma amiga para participar da festa que acontecia no local. 

"Piscina, piscininha, pscininha. Pode vir que vai estar bom", diz Hilma no vídeo. 

Dois dias depois de sepultar a mãe, a filha de Hilma, de 16 anos, se manifestou em seu perfil de uma rede social. Segundo Mauro Morais, irmão da vítima, a adolescente foi a primeira da família a chegar no prédio após a queda. O corpo da mãe já havia sido levado para o IML. (Instituto Médico Legal).

— A filha dela ficou sem nenhum amparo por parte das pessoas que estavam ali [no prédio] e que conheciam Hilma. Era de extrema importância que a filha dela recebesse um primeiro amparo. 

Hilma Balsamao de Morais, tinha 38 anos. Ela caiu de uma altura de 15 metros, na noite de sexta feira (20), no bairro Castelo, região Noroeste de Belo Horizonte. A administradora de imóveis participava de uma festa no apartamento de cobertura do namorado, o empresário Gustavo de Almeida Veloso. A versão dada à PM foi de suicídio.

Hilma estava em uma festa na casa do namorado

Hilma estava em uma festa na casa do namorado

Reprodução/Record TV Minas

Excelsa Balsamão, mãe de Hilma de Morais, não acredita no fato de a filha ter se suicidado.

— Eu só quero a resposta, porque a gente não sabe nada. Era uma festa e ninguém apareceu. Era uma festa e não tinha ninguém lá. Minha filha foi para o IML como indigente.

Nesta quarta feira (25), familiares de Hilma procuraram a delegacia de Homicídios em busca de informações. Ainda essa semana, a delegada de feminicidio, que vai conduzir a investigação, deve ouvir testemunhas do caso. Além do empresário e do filho dele, de 17 anos, havia pelo menos outras quatro pessoas no apartamento.

Depois de serem recebidos pela equipe de investigação, a mãe e o irmão de Hilma, saíram aliviados da delegacia.

— O que aconteceu, na sexta-feira à noite, com minha irmã, a gente vai saber. 

Os celulares de Hilma, Gustavo e do filho, recolhidos pela PM (Polícia Militar), segundo Morais, já estão em poder da delegada.

— O que for preciso para descobrir a verdade, a delegada me garantiu que vai ser descoberto. 

Últimas