Minas Gerais PC indicia ex-secretário de Pimentel por desvios de R$ 850 milhões

PC indicia ex-secretário de Pimentel por desvios de R$ 850 milhões

José Afonso Bicalho, ex-chefe da Fazenda, é suspeito de desviar dinheiro de empréstimos consignados de servidores

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7

Bicalho era homem de confiança de Pimentel

Bicalho era homem de confiança de Pimentel

Sindifisco / Youtube / Reprodução

O ex-secretário da Fazenda do governo Fernando Pimentel (PT), José Afonso Bicalho, foi indiciado pela Polícia CIvil de Minas Gerais nesta segunda-feira (12).

Ele é acusado, junto ao subsecretário do Tesouro Estadual, entre 2017 e 2018, de desviar mais de R$ 850 milhões em empréstimos consignados contratados por servidores e pensionistas do Estado. 

A Polícia Civil marcou uma entrevista coletiva para a tarde desta segunda-feira (12) para dar detalhes sobre o indiciamento de Bicalho e seu subsecretário. 

Investigação

Em 2020, a PC abriu inquérito para apurar se a gestão de Pimentel se apossou de quase R$ 1 bilhão de servidores estaduais que haviam contraído empréstimos consignados junto ao Banco do Brasil. 

Na época, os funcionários públicos podiam contrair empréstimos junto à instituição financeira com garantia de desconto na folha de pagamento. Na prática, o Governo de Minas descontava o valor referente à parcela da dívida dos salários dos servidores, mas não repassava o montante ao banco. 

À época da abertura do inquérito, a Polícia Civil estimava que 280 mil pessoas haviam sido prejudicadas com a manobra financeira. De acordo com o delegado Gabriel Ciriaco Fonseca, da Delegacia Especializada de Combate à Corrupção, essa situação gerou diversos problemas aos servidores.  

— Alguns bancos cobraram dos funcionários, outros não. Alguns servidores tiveram o nome incluído no Serasa, mas outros não. Alguns trabalhadores pagaram a dívida à instituição financeira novamente, mesmo com o governo já tendo descontado o valor no contracheque.

Últimas