Minas Gerais PF vai usar drones para combater 'boca de urna' em zonas eleitorais

PF vai usar drones para combater 'boca de urna' em zonas eleitorais

Polícia Federal vai reduzir circulação de agentes nas ruas devido à pandemia, mas espera que os drones desestimulem a ocorrência de crimes eleitorais

A Polícia Federal vai utilizar 100 drones para combater crimes durante as eleições em todo o país. Destes, pelo menos 15 equipamentos irão monitorar as principais zonas eleitorais de Minas Gerais.

Os drones têm capacidade para voar em altitudes elevadas e de forma discreta, dificultando que sejam vistas. As imagens de alta qualidade serão repassadas simultaneamente para equipes da Polícia Federal, que irão avaliar o material e possíveis medidas a serem tomadas.

Drones estão equipados com câmeras de alta qualidade

Drones estão equipados com câmeras de alta qualidade

Reprodução / Record TV Minas

De acordo com o delegado Daniel Fantini, a medida foi adotada por conta do número de crimes eleitorais denunciados em zonas de votação específicas. Fantini esclarece que os drones são uma alternativa à presença dos agentes na rua, que também precisam se proteger contra a covid-19.

— Por conta da pandemia, a Polícia Federal decidiu usar a tecnologia para reduzir a circulação de pessoas e garantir a segurança durante a votação.

Veja: Em BH, 81 candidatos a vereador trocaram de cor em quatro anos

Equipes de policiais vão ficar de plantão em alguns locais do estado, e cada grupo de quatro agentes ficará responsável por um drone. Os locais onde as aeronaves farão a fiscalização ainda vão ser definidos. A expectativa do delegado Daniel Fantini é de que a presença dos drones no ar desestimulem possíveis crimes eleitorais, como a boca de urna.

— As pessoas precisam saber que a Polícia Federal vai estar na rua acompanhando as eleições, e com o auxílio da tecnologia, que irá identificar esses suspeitos e, assim, puni-los.

Últimas