Polícia apura ameaças a conselheira de saúde que pediu lockdown em BH

Carla Anunciatta é presidente do Conselho Municipal de Saúde e sofreu ameaças após sugerir medida à PBH; Polícia Civil está investigando o caso

Carla Anunciatta é presidente do Conselho Municipal de Saúde

Carla Anunciatta é presidente do Conselho Municipal de Saúde

Reprodução / Redes Sociais

A Polícia Civil de Minas Gerais abriu um inquérito para apurar as ameaças recebidas pela presidente do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Carla Anunciatta. Ela foi ameaçada depois de sugerir ao prefeito Alexandre Kalil (PSD) que decretasse 'lockdown' na cidade.

Foram mais de 50 comentários na página do Conselho Municipal de Saúde no Facebook. Com tom agressivo e preconceituoso, um internauta ofendeu Carla de “cadela de rua”. Um outro comentário, ainda mais violento, sugeriu que alguém “matasse a conselheira”, pois, segundo o internauta, “só assim essa raça sumiria do mapa”.

Carla Anunciatta, presidente do órgão ligado à Secretaria de Saúde de BH, afirmou que as ameaças atingiram a ela e todo o Conselho. Ela disse que a sugestão do "lockdown" foi proposta a partir de uma votação entre os membros do órgão.

Foram mais de 50 comentários ofensivos nas redes sociais

Foram mais de 50 comentários ofensivos nas redes sociais

Reprodução / Redes Sociais

— Uma ação como essa, que tenta intimidar pessoas e entidades que defendem a vida e a saúde pública, é totalmente sem sentido.

Veja: Prefeitura de BH estuda fechar supermercados aos domingos

Segundo Carla, seu nome foi incluído no programa estadual de proteção aos defensores de Direitos Humanos. Além do inquérito aberto pela Polícia Civil, ela também levou as denúncias ao Ministério Público de Minas Gerais e à Polícia Militar, onde registrou um boletim de ocorrência.

Carla afirmou estar confiante de que os autores das ameaças serão identificados. Ela disse que está tranquila e que esses comentários não irão afetar o trabalho dela e do Conselho Municipal de Saúde.

— Eu não senti medo, mas sim indignação e vergonha. Mas é claro que uma pessoa que fala aquilo tudo na internet se sente no direito de tentar alguma agressão física, real. Mas eu estou tomando cuidado.

*Estagiária do R7 sob a supervisão de Lucas Pavanelli