Polícia indicia duas por aplicar silicone industrial em salão 

A dona do estabelecimento em Contagem e a esteticista vão responder por estelionato e exercício ilegal da medicina; investigações continuam

Salão ficava neste imóvel em Contagem (MG)

Salão ficava neste imóvel em Contagem (MG)

Divulgação / Record TV Minas

A Polícia Civil indiciou nesta quinta-feira (9) duas mulheres investigadas sobre aplicação de silicone industrial durante procedimentos estéticos em um salão de beleza em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. 

A dona do estabelecimento, Dayse Viviane Martins Lopes, de 34 anos, e a esteticista Amanda Juliana de Fernandes França, de 41 anos, chegaram a ser presas preventivamente no início do mês passado. Dayse prestou depoimento hoje em uma delegacia em Contagem. 

Em um primeiro inquérito sobre o flagrante, Dayse, a dona do salão, foi indiciada por estelionato e exercício ilegal da medicina. A outra mulher, Amanda, também foi indiciada pelos dois crimes, além do crime de adulteração de produtos para fins medicinais ou terapêuticos, previsto no artigo 273 do Código Penal. 

As investigações continuam e novos indiciamentos não estão descartados. 

Investigações

Segundo as investigações, mais de 100 pacientes, de vários Estados, podem ter sido enganadas pela dupla. As suspeitas faziam cerca de seis atendimentos por mês e cobravam cerca de R$ 4.000 por cada um. As vítimas alegaram que não sabiam que o material que estava sendo utilizado era silicone industrial. 

Além do uso do silicone industrial, um material usado para a limpeza de carros e componentes de avião, além da fixação de vidros e impermeabilização de azulejos, as investigações mostraram também que, além do produto químico, as mulheres usavam uma super cola para fixar a pele das pacientes após o procedimento.