Minas Gerais Polícia indicia mãe que matou bebê de 1 ano com 60 facadas em MG

Polícia indicia mãe que matou bebê de 1 ano com 60 facadas em MG

Avó vai responder por omissão de socorro já que teria presenciado as agressões e demorou 20 minutos para entrar na casa

Criança foi atingida com 60 golpes de faca

Criança foi atingida com 60 golpes de faca

Reprodução

A mulher que matou a filha de apenas um ano de idade com mais de 60 golpes de faca em Barbacena, a cerca de 170 km de Belo Horizonte, foi indiciada pela Polícia Civil de Minas Gerais. O caso ocorreu em julho e chocou a cidade do interior de Minas Gerais. 

De acordo com o inquérito policial, a perícia identificou 37 golpes contundentes e outros 25 ferimentos que resultaram na morte da criança, que não teve chance de defesa. 

Segundo a delegada Amanda Prezotti, da Delegacia de Atendimento à Mulher de Barbacena,  a mulher, que está presa desde o dia do crime, alegou um surto para justificar o assassinato do bebê. As investigações constataram que ela fazia tratamento psiquiátrico. 

— Ela fazia acompanhamento há cerca de dois anos com uma equipe médica, com psicólogo e psiquiatra. Os profissionais afirmaram que ela havia sido diagnosticada com transtorno bipolar e que, em seu prontuário, não havia notícia de um surto anterior. 

A polícia também indiciou a avó da criança, mãe da autora do crime, por omissão de socorro. As investigações concluíram que ela esteve dentro da casa momentos antes de as agressões começarem e que estaria do lado de fora da casa quando o bebê começou a gritar devido aos ferimentos. 

— A avó seria a única testemunha presencial dos fatos. Ela alega que esteve minutos antes na casa da vítima e se encontrava do lado de fora quando começou a ouvir os gritos aterrorizantes da criança. É impossível não ter presenciado o ato da mãe e ainda demora 20 minutos para entrar na casa.

De acordo com a delegada, ao encontrar a criança ferida dentro de casa, a avó a deixou em cima da cama e saiu procurando por ajuda. No entanto, em vez de ir até a casa de um vizinho mais próximo, ela teria caminhado por mais de 500 metros até encontrar uma pessoa conhecida.

— Esse tempo perdido poderia ser suficiente para salvar a criança. 

A autora do crime teve a prisão temporária convertida em preventiva e se encontra detida em uma penitenciária de Juiz de Fora, a 266 km de Belo Horizonte. 

Últimas