Minas Gerais Polícia inicia buscas por corpo de menina de 5 anos morta por casal

Polícia inicia buscas por corpo de menina de 5 anos morta por casal

Mãe e padrasto de Stéfany confessaram o crime contra ela e a irmã, Ana Livia, de 10 anos; corpo não foi encontrado

  • Minas Gerais | Gabriel Rodrigues, da Record TV Minas

Buscas se concentraram em área de mata

Buscas se concentraram em área de mata

Reprodução/RecordTV Minas

A polícia fez buscas, nesta sexta-feira (27), pelo corpo da criança de 5 anos, que teria sido a primeira vítima do casal suspeito de matar Ana Lívia, de 10 anos, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. A mãe e o padrasto das meninas confessaram os crimes e foram presos.

Os trabalhos policiais se concentraram próximo a uma ponte no bairro Taquaril, na região Leste da capital mineira. O crime teria sido cometido em Divinópolis, a 120 km da capital.

O casal Lucas Melo da Silva, de 25 anos, e Deborah Almeida da Silva, de 31 anos, teria levado o corpo de Stéfany, de 5 anos, para Belo Horizonte em um carro de aplicativo.  Os dois teriam dito ao motorista que a menina estava dormindo mas, na verdade, a criança já estaria morta.

Uma denúncia teria afirmado que o corpo da criança foi abandonado em Belo Horizonte, embaixo da ponte no bairro Taquaril. As buscas no local duraram horas, mas foram encerradas, sem sucesso.

Relembre o caso

Ana Lívia, de 10 anos, foi encontrada morta na última segunda-feira (23) em um barracão onde a família morava, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. O corpo já estava em estado de decomposição e tinha sinais de violência. A criança teria sido torturada com socos, pauladas, golpes de faca e queimada com cigarro.

Após a morte de Ana Lívia, o casal Lucas Melo da Silva, de 25 anos, e Deborah Almeida da Silva, de 31 anos, foi preso e confessou que já teria matado outra criança, também filha de Deborah.

Lucas alega que matou as enteadas a mando de uma entidade espiritual. Segundo ele, o sacrifício seria necessário para assegurar que a atual gravidez de Deborah fosse bem sucedida. Mas a polícia acredita que a versão é para esconder a perversão dos assassinatos.

Últimas