Minas Gerais Polícia prende suspeito de vender uísque adulterado que pode ter causado intoxicação em Betim (MG)

Polícia prende suspeito de vender uísque adulterado que pode ter causado intoxicação em Betim (MG)

Investigações seguem para concluir se a substância está ligada à morte de duas pessoas e contaminação de outras sete na cidade

  • Minas Gerais | Maria Luiza Reis, Do R7 e Bruno Menezes, da Record Minas

Bebidas foram encontradas no bairro Citrolândia

Bebidas foram encontradas no bairro Citrolândia

Divulgação/PCMG

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu em flagrante, nesta segunda-feira (18), um homem, de 58 anos, suspeito de comercializar uísque adulterado em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte.

A polícia ainda investiga se a substância está ligada à morte de duas pessoas e contaminação de outras sete na cidade. 

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

A prisão aconteceu em uma mercearia no bairro Citrolândia, mesma região onde aconteceram as mortes. Durante a vistoria, foram encontradas, no fundo do estabelecimento, 35 garrafas de um produto "semelhante a uísque", que estavam com o lacre da tampa rompido, tampas amassadas e etiquetas com arranhões, aparentando não serem novas e originais.

O que chamou a atenção da equipe policial é que todas as demais bebidas alcoólicas ficavam expostas em estantes. No entanto, as bebidas do tipo uísque estavam todas dentro de caixas de outros produtos aos fundos da loja, o que demonstrou que havia a intenção de escondê-las ou camuflá-las.

O dono do local alegou para a polícia que comercializava doses da bebida de forma avulsa, por R$25. Ele disse que não produzia a bebida, tendo comprado elas de um terceiro. No entanto, o homem não apresentou notas fiscais para a equipe. A perícia e uma equipe da vigilância sanitária municipal compareceram ao local. 

O dono do estabelecimento foi preso, em flagrante, pelo crime de guarda e exposição á venda de substancia alimentícia ou produto falsificado, corrompido ou adulterado. As bebidas foram apreendidas. 

O delegado regional da Polícia Civil de Betim, Marcelo Cali, em coletiva, deu dicas para o consumidor identificar bebidas falsificadas ou adulteradas: Bebidas que estejam sem lacre ou com um lacre que não seja o original de acordo com a Anvisa; preços que estejam muito abaixo do valor original; embalagem adulterada da vendida normalmente; cor estranha do líquido, que não corresponda ao comum da bebida em questão.

Entenda o caso

As investigações da polícia começaram após notícias de pessoas hospitalizadas na cidade por suposta ingestão de bebida alcoólica adulterada, que pode ter resultado em dois óbitos com sintomas de hepatopatia e intoxicação exógena.

Na primeira nota da prefeitura sobre o caso, o município levantou a possível intoxicação com o consumo do que foi chamado de "uísque artesanal", uma vez que três pacientes relataram ter consumido a bebida. A Vigilância Sanitária da prefeitura chegou a percorrer 10 estabelecimentos na região do bairro Citrolândia, onde ocorreram as duas mortes, mas não encontraram a bebida.

A Polícia Civil já colheu amostra de sangue de todos os pacientes e abriu um inquérito para investigar o caso. 

Últimas