Minas Gerais Preço do bandejão da UFV pode subir 370% com fim de benefício

Preço do bandejão da UFV pode subir 370% com fim de benefício

Universidade propôs suspender auxílio que deixa preço em R$ 1,90 para alunos sem vulnerabilidade; novo valor pode chegar a R$ 9

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Alunos fizeram atos na universidade

Alunos fizeram atos na universidade

Divulgação / DCE UFV

Estudantes da Universidade Federal de Viçosa, a 230 km de Belo Horizonte, se mobilizam nesta segunda-feira (22) contra o possível fim de um subsídio, o que pode fazer com que o preço da refeição no restaurante universitário, conhecida como "bandejão", suba de R$ 1,90 para quase R$ 9.

Na prática, o ajuste de 370% vai atingir os alunos que não estão enquadrados no perfil de vulnerabilidade social, já que a universidade propôs, no último dia 16, suspender a ajuda de custo para esse grupo. Atualmente, todos os estudantes da instituição desfrutam o benefício, independentemente da situação financeira.

No projeto de mudanças, a universidade também pediu uma atualização de 25% no valor integral da refeição, que hoje custa, em média, R$ 7. As alterações ainda precisam ser aprovadas pelo Conselho Universitário.

Custos

Ao apresentar a proposta, a pró-reitora Sylvia Franceschini explicou que a medida é necessária diante de um orçamento menor para a universidade em 2022 e do aumento de gastos com o retorno presencial das aulas devido à necessidade de empenhar mais recursos na estrutura para atender aos protocolos sanitários contra a Covid-19.

"É importante sempre levar em consideração qual é o objetivo da assistência estudantil. É criar igualdade de oportunidades. Chegou o momento em que não temos mais recursos para subsidiar todo mundo. Temos que entender que temos estudantes que, se a gente não apoiar a permanência deles na universidade, não conseguirão concluir os estudos", afirmou Sylvia Franceschini.

A universidade estima que, caso o modelo de financiamento das refeições não seja alterado, o gasto com o setor seria R$ 4,8 milhões além do disponibilizado pelo Ploa (Projeto de Lei Orçamentária Anual).

"Com isso, a universidade saltaria dos atuais 2.095 estudantes de graduação beneficiados com o subsídio integral para 3.110 e atenderia mais 1.286 nas faixas 1 e 2 de subsídios, totalizando 4.396 subsidiados, o que representa cerca de 26,1% dos alunos de graduação", detalha a nota da UFV.

Os alunos, no entanto, questionam os argumentos. Um grupo se reuniu na universidade segurando faixas e cartazes em protesto contra a mudança. Também levou ossos de animais para o ato batizado de "UFV tá osso". A expressão ficou entre os assuntos mais comentados da internet nesta segunda-feira.

"Não é porque não estou em vulnerabilidade econômica que eu tenho condições de pagar R$ 9,00 por uma refeição todos os dias", afirmou uma universitária.

Últimas