Minas Gerais Secretário orienta prefeitura de BH a abrir mais covas em cemitérios

Secretário orienta prefeitura de BH a abrir mais covas em cemitérios

Chefe da Saúde diz que medida visa garantir dignidade de eventuais vítimas da covid, mas não indica necessidade de alarde

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7, com Record TV Minas

Ninguém morreu por falta de médico, diz secretário

Ninguém morreu por falta de médico, diz secretário

Divulgação / PBH / Amira Hissa

Jackson Machado, secretário de Saúde Belo Horizonte, orientou à prefeitura a abrir mais covas e sepulturas nos cemitérios públicos da cidade.

A informação foi relatada pelo próprio secretário, nesta quarta-feira (31), durante audiência pública da Comissão de Saúde e Saneamento da Câmara Municipal.

Na conversa com os vereadores, Machado explicou que a medida não sinaliza necessidade de alarde, mas que seria uma forma de preparar a cidade para o pior momento da pandemia e garantir dignidade às vítimas da covid-19 em um eventual colapso do sistema funerário.

Machado ainda garantiu que não houve na capital mineira mortes por falta de atendimentos médicos.

— Nós temos que evitar que as pessoas que, porventura, venham a falecer com a covid-19 sofram a indignidade de serem enterradas em covas coletivas como vimos acontecer mundo afora. Pedi ao presidente da Fundação de Parques e Jardins para agilizar o contrato para a abertura de novas sepulturas e novas covas nos cemitérios públicos porque eu sei que há possibilidade de óbitos é grande.

Na reunião, Machado ainda relatou que durante esta manhã, 207 pacientes aguardavam por um leito de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), sendo que 153 deles estavam em Upas (Unidades de Pronto Atendimento). O secretário informou que o tempo de espera aumentou de 13 para 20 horas e que a idade média dos internados caiu de 60 para 43 anos.

Outra situação relatada é de que menos de 40% dos profissionais de saúde foram vacinados, mas o secretário garantiu que BH tem estoque suficiente para aplicar a segunda dose nos idosos que já tomaram a primeira.

O representante da prefeitura ainda defendeu que é necessário vacinar os professores, porque as aulas precisam retornar e pediu, mais uma vez, para que os moradores respeitem o isolamento social.

Últimas