Minas Gerais Sem doses, mães não conseguem vacinar filhos contra gripe em BH

Sem doses, mães não conseguem vacinar filhos contra gripe em BH

Prefeitura priorizou vacinação de trabalhadores da saúde em detrimento das crianças e aguarda chegada de novas doses

Na semana em que começou a Campanha Nacional de Imunização contra a Gripe, em Belo Horizonte, muitas mães estão indo aos postos de saúde para vacinar seus filhos e estão voltando para casa sem conseguir imunizar as crianças.

Ao contrário de outras cidades da região metropolitana, nesta primeira etapa, a capital mineira tem priorizado a vacinação de profissionais de saúde em vez de crianças. A própria secretaria municipal de saúde confirma que não há doses para todo mundo. 

Uma das mães que passou pela situação é Deborah Ribeiro, que tem dois filhos e está grávida do terceiro. Ela já estava se preparando pra ir ao posto de saúde tomar a vacina contra a gripe junto com o Enzo, de 4 anos, porque os dois pertencem ao grupo prioritário desta primeira etapa. Mas foi pega de surpresa.

— Eu sei que a vacina da gripe nao protege da covid, mas diminui o risco de ter uma pneumonia e precisar de uma internação. A ideia era ir só uma vez ao posto, mas terei que tomar vacina agora e, depois, levar ele quando a vacina for ampliada até os 6 anos.

Campanha de vacinação começou nesta semana

Campanha de vacinação começou nesta semana

Reprodução/RecordTV Minas

O mesmo aconteceu com a jornalista Raquel Santiago, que só ficou sabendo da falta de doses quando chegou ao posto de saúde com as duas filhas, de 2 e 4 anos de idade. Ela teve que voltar pra casa sem a imunizar as crianças.

— A pandemia tem nos deixado bem alerta e o fato de ter levado minhas filhas em um posto de saúde, lugar frequentado por muitas pessoas e a gente não sabe se vai ter contato ou não com o vírus, eu fiquei bem preocupada e foi bem angustiante de chegar lá e não ter conseguido vaciná-la. 

Raquel,  Deborah e outras tantas mães de crianças que vivem em Belo Horizonte ficaram na mão porque a Campanha de Vacinação contra a Gripe na capital não está seguindo a faixa-etária recomendada pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o subsecretário de Promoção e Vigilância à Saúde de Belo Horizonte, Fabiano Pimenta, o município não têm doses suficientes para vacinar todo o público alvo, nesta primeira fase.

— Estamso seguindo, mas de maneira escalonada porque o número de doses não é suficiente para pegar a prioridade e fazer com que todos possam ir ao centro de saúde nesta primera semana.

Enquanto outras cidades da região metropolitana de Belo Horizonte, como Contagem e Betim, seguem o plano estabelecido pelo Ministério da Saúde, a capital mineira decidiu priorizar os profissionais de saúde e deixar as crianças para a próxima etapa. 

— Direcionamos para os trabalhadores da saúde dos hospitais e centros de saúde, na mesma lógica que esses equipamentos de saúde fazem o trabalho de frente para atendimento à população, seja covid ou outras síndromes respiratórias agudas graves. 

A estimativa da Prefeitura de Belo Horizonte é que sejam imunizados, neste primeiro momento, cerca de 3 mil crianças entre seis meses e 1 ano incompletos, 22 mil gestantes, três mil puérperas e cerca de 105 mil trabalhadores da saúde, que atuam em hospitais, no Samu, centros de saúde e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) na capital. À medida que novas doses forem recebidas, o município irá ampliar os grupos a serem vacinados.

— O produtos da vacina contra a Influenza é o Instituto Butantan, que está produzindo vacina contra a covid-19. Acredito que pode ter havido uma certa interferência no sentido da produção mais intensa da vacina da Influenza, o que acho perfeitamente compreensível. 

Como ainda não há previsão de chegada de novas doses, algumas mães já pensam, mesmo com dificuldades financeiras, em pagar para imunizar os filhos, como é o caso de Raquel Santiago.

— Eu estou desempregado, então queria que estivesse à disposição do SUS para as minhas filhas. Mas se eu ver que não vai ter, eu e meu marido vamos ter que tomar uma decisão e até pagar para vacinar. 

Últimas