Minas Gerais Serra da Moeda: ALMG pode votar projeto sobre área de preservação

Serra da Moeda: ALMG pode votar projeto sobre área de preservação

Projeto de lei amplia atuação de mineração no local; pauta recebeu pareces favoráveis de três comissões da Assembleia Legislativa

  • Minas Gerais | Do R7

O projeto de lei, que altera a área de preservação na Serra da Moeda, situada nos municípios de Moeda e Itabirito, está pronto para ser votado no plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Segundo ambientalistas, a proposta amplia a mineração no local e pode prejudicar o abastecimento de água na região metropolitana de Belo Horizonte.

Serra fica entre Moeda e Itabirito

Serra fica entre Moeda e Itabirito

Record TV Minas/Reprodução

Em reunião realizada pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, na madrugada desta sexta-feira (19), os deputados deram parecer favorável ao projeto de lei de autoria do deputado Thiago Cota (MDB). Bernardo Mucida (PBS) foi o único voto contrário.

Apresentada em 9 de novembro por Cota, a pauta teve aprovação nas comissões de Constituição e Justiça, na última terça-feira (16), e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, na quarta-feira (17).

Agora, o projeto está pronto para ser votado no plenário da ALMG. Ele poderia ter sido apreciado pelos deputados nas reuniões ordinárias marcadas para esta quinta-feira (18), às 10h e às 14h, mas isso não aconteceu por falta de quórum.

Serra da Moeda

De acordo com ambientalistas, a região é vital para a preservação do sistema de água que abastece a Grande BH. “O que a gente tem ali é uma grande Serra que abastece os rios da Velha e Paraopeba. Nós vamos trocar uma área que infiltra muito para dar a uma empresa o direito de tirar algumas toneladas de minério e deixar um passivo enorme", defende a ativista ambiental Jeanine Oliveira.

Em nota, a Gerdau, empresa de mineração da região, disse que o projeto de lei é “fundamental para o desenvolvimento socioeconômico de Minas e que leva em consideração também a importância das unidades de conservação e as necessidades da população da região”. A mineradora ainda reafirmou que "a conduta da empresa sempre foi pautada pela ética, pela legalidade e pelo desenvolvimento sustentável onde atua”.

O deputado Thiago Cota informou que votou favorável ao documento por entender que a alteração nos limites do monumento promoverá o desenvolvimento econômico e social da região, em conformidade com políticas de preservação do patrimônio ambiental estadual. A ALMG também foi procurada para comentar sobre a rapidez na aprovação do projeto nas comissões, mas ainda não retornou.

Últimas