Minas Gerais Sul de Minas vive pior momento da pandemia, diz secretário de saúde

Sul de Minas vive pior momento da pandemia, diz secretário de saúde

Região tem medidas de restrição e vive maior incidência de novos casos desde o ano passado; MG transferiu 51 pacientes em 7 dias

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7

Secretário confirmou que 51 pacientes foram transferidos na última semana

Secretário confirmou que 51 pacientes foram transferidos na última semana

Divulgação / Governo de MG / Gil Leonardi

A região Sul de Minas Gerais é a que mais preocupa as autoridades sanitárias do governo estadual com relação aos novos casos de covid-19. De acordo com o secretário Fábio Baccheretti, os municípios que compõem a região vivem o pior momento da pandemia desde março do ano passado. 

De acordo com Baccheretti, os municípios, de forma geral, têm adotado medidas de restrição na circulação de pessoas e a Polícia Militar aumentou a fiscalização para evitar aglomerações. 

— Temos o maior número de casos novos já visto na região. Esses casos vão se tornar pacientes e, daqui a algumas semanas, estarão em terapia intensiva. Por isso, a transferência de pacientes e o aumento das medidas restritivas são necessárias. 

Na última semana, a região foi incluída em uma nova classificação da Onda Vermelha, do programa Minas Consciente. Com isso, municípios que fazem parte do programa não poderão autorizar a abertura de estabelecimentos como salões de beleza, clubes e academias de ginástica, além de atividades culturais e eventos. Bares e resturantes só poderão funcionar para consumo no local até às 19 horas. 

No entanto, mesmo com a gravidade da situação na região, o Estado ainda não cogita incluir a região Sul na Onda Roxa - a fase mais restritiva, que proíbe o funcionamento de estabelecimentos considerados não-essenciais. 

— A Onda Roxa existe e é uma possibilidade. Como, neste momento, o Estado vive um momento bastante heterogêneo da pandemia e há outras regiões para receber pacientes, nao é preciso estabelecer (a Onda Roxa). Mas isso depende do comportamento da população. 

Transferência de pacientes

Na última semana, entre os dias 31 de maio e 6 de junho, o Governo de Minas coordenou a transferência de 51 pacientes entre regiões diferentes do Estado. Esse tipo de medida se dá devido à falta de leitos, principalmente de terapia intensiva, nessas regiões, como o Sul de Minas. 

Conforme o Painel de Monitoramento do governo estadual, de forma global, a região tem taxa de ocupação de 93% dos leitos de UTI. Em algumas microrregiões, como Alfenas, São Sebastião do Paraíso, Três Corações e Três Pontas, essa taxa já atingiu os 100%.  

De acordo com o secretário de saúde Fábio Baccheretti, cinco regiões do Estado, classificados na região vermelha, enfrentam um cenário desfavorável, epidemiológico e assistencial: Centro-Sul, Leste do Sul, Oeste, Sul e Triângulo do Sul. A força-tarefa da SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) visitou 54 estabelecimentos de saúde em 21 municípios para verificar as condições de atendimento em cada um deles. 

— As regiões Sul e Triângulo do Sul receberam a visita da força-tarefa, responsável por analisar os fluxos assistenciais, discutir com os municípios, buscar transferências e equalizar a demanda e aoferta de leitos em cada um. 

Últimas