Minas Gerais Suspeito de matar candidato em Patrocínio (MG) se entrega à polícia

Suspeito de matar candidato em Patrocínio (MG) se entrega à polícia

Jorge Marra, que é secretário de obras do município mineiro, teria disparado várias vezes contra Cássio Remis na última quinta-feira em plena luz do dia

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7, com Record TV Minas

Remis foi alvejado e não resistiu aos ferimentos

Remis foi alvejado e não resistiu aos ferimentos

Reprodução / Record TV Minas

O homem suspeito de matar a tiros o candidato a vereador Cássio Remis (PSDB), de Patrocínio, a 355 km de Belo Horizonte, se entregou à polícia neste domingo (27).

O principal suspeito do crime é Jorge Marra, ex-secretário de obras, e irmão do prefeito da cidade.

De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais, Marra prestou depoimento na Delegacia Regional de Patrocínio durante a tarde. Ele foi ouvido pelos delegados Valter André e Renato Mendonça. Segundo Mendonça, Marra declarou durante o depoimento que agiu em legítima defesa. Após quase duas horas de esclarecimentos, ele foi levado para uma unidade prisional não divulgada.

Relembre o caso

O assassinato ocorreu, segundo a PM (Polícia Militar), enquanto o político tentava reaver o celular que teria sido tomado pelo secretário de Obras da cidade, após uma live em que Cássio Remis denunciava supostas irregularidades em obras da prefeitura.

Remis fez a transmissão ao vivo pouco antes de morrer. Enquanto falava sobre a possível irregularidade na obra, o ex-presidente da Câmara Municipal gravou o momento em que um veículo branco se aproxima.

Um homem desce do carro e é identificado pela vítima como Jorge Marra, secretário municipal de Obras e irmão do prefeito, Deiró Marra (DEM). O candidato a vereador chega a anunciar a chegada do opositor.

Quando o homem se aproxima da vítima, o celular começa a balançar. Remis chega a pedir para o homem não quebrar o aparelho. Neste momento, a transmissão é interrompida.

Remis foi atrás do suspeito para tentar pegar o aparelho de volta e foi atingido com cinco tiros de arma de fogo ao chegar em frente à sede da secretaria. Ainda segundo o militar, o autor do crime fugiu do local em uma caminhonete Hillux e ainda não foi encontrado.

No dia seguinte ao assassinato, enquanto a família velava o corpo do ex presidente da Câmara de Vereadores de Patrocínio, a policia encontrou a caminhonete de Marra e uma arma que pode ter sido a usada no crime.

O carro estava na  casa do ex-prefeito de Perdizes, cidade a cerca de 60km de Patrocíno, Edno José de Oliveira. O advogado Flávio Roberto Silva, que defende Oliveira, alegou ao R7 que Marra teria abandonado o carro no local e saído em seguida, sem dar detalhes sobre o que havia ocorrido.

Últimas