Vizinhos de barragem da Vale serão removidos até 18 de dezembro

Plano de ação foi definido em reunião nesta sexta (20), que reuniu órgãos públicos e a mineradora Vale; moradores devem escolher futura moradia

Reunião entre órgãos públicos definiu plano de ação

Reunião entre órgãos públicos definiu plano de ação

Divulgação / Defesa Civil MG

Os 34 moradores que vivem em uma área de risco próximo à barragem Norte/Laranjeiras, em Barão de Cocais, a 94 km de Belo Horizonte, serão realocados até o dia 18 de dezembro. É o que ficou definido na reunião entre representantes da Defesa Civil de Minas e a mineradora Vale.

Além do grupo de pessoas, cerca de 790 animais também serão removidos da área ameaçada. Essas pessoas começarão a ser abordadas neste sábado (21) e terão até o dia 28 de novembro para escolherem os imóveis onde irão morar. O valor dos aluguéis será totalmente custeado pela mineradora Vale.

De acordo com o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador da Defesa Civil estadual, todo o processo será realizado de acordo com os protocolos de combate a covid-19. Todos os moradores vão passar por triagem médica e irão receber kits de higienização e de proteção individual. O transporte das famílias será realizado com apenas 50% da capacidade dos veículos.

Veja: Vale deve reparar famílias forçadas a sair de casa por barragem

A definição do plano de ação também contou com a participação da Defesa Civil e da Prefeitura de Barão de Cocais, do Ministério Público e da Polícia Militar.

A reportagem procurou a mineradora Vale, mas, até o momento, não recebeu o posicionamento da empresa.

Riscos

A ANM (Agência Nacional de Mineração) justificou a elevação do nível de emergência da estrutura com dois motivos. A agência alega não ter conhecimento do que teria causado o aparecimento das trincas no talude da mina e das informações sobre a fundação da barragem. Na época, a Vale alegou que a estrutura não recebe mais rejeitos de minério e não faz parte do plano de produção da companhia há cerca de um ano.

*Estagiário do R7 sob a supervisão de Flavia Martins y Miguel.