Política Carla Zambelli nega informação privilegiada sobre operação da PF

Carla Zambelli nega informação privilegiada sobre operação da PF

Deputada do PSL diz que comentário sobre operações contra governadores em entrevista na segunda-feira não tem relação com ação desta terça

  • Política | Márcio Pinho, do R7

A deputada federal Carla Zambelli

A deputada federal Carla Zambelli

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) negou em seu Twitter que tenha recebido informações privilegiadas em relação à Operação Placebo, realizada nesta terça-feira (26) no Rio de Janeiro e que tem como um dos alvos o governador Wilson Witzel.

A deputada deu entrevista à rádio Gaúcha na segunda-feira (25) e afirmou que haveria operação da Polícia Federal contra governadores "nos próximos meses". Zambelli é aliada do presidente Jair Bolsonaro, o que, segundo Witzel, indica que houve vazamento e a tentativa da construção de uma “narrativa” para prejudicá-lo.

Saída de Moro foi por derrotas como ministro, diz Carla Zambelli

Nesta terça, Zambelli respondeu a comentário da deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ), questionando a suposta informação privilegiada e a relação do governo com a Polícia Federal. A deputada do PSL respondeu lembrando termo usado pelo presidente Jair Bolsonaro para referir-se a Witzel em reunião privada com os ministros no dia 22, cujo vídeo foi divulgado na semana passada.

“Se eu tivesse informações privilegiadas e relações promíscuas com a PF, a operação de hoje seria chamada de "Estrume" e não "Placebo". Está aí sua explicação, defensora de maconheiro.”

A deputada também replicou perfis que apontam que seria de conhecimento amplo que as operações aconteceriam, tendo em vista as seguidas suspeitas em relação a superfaturamento de compras feitas por governadores no combate à covid-19 e as investigações já em curso realizadas pela Procuradoria-Geral da República.

Na segunda-feira, Zambelli havia afirmado à Rádio Gaúcha que as operações estavam para acontecer. “A gente já teve algumas operações da Polícia Federal que estavam ali, na agulha, para sair, mas não saíam. E a gente deve ter, nos próximos meses, o que a gente vai chamar, talvez, de ‘Covidão’, não sei qual vai ser o nome que eles vão dar, mas tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal", disse a deputada bolsonarista.

Em nota, Zambelli afirmou nesta terça que é "absurda" a interpretação de que ela saberia da Operação Placebo e que o comentário dela se referiu a informações já conhecidas e publicadas na mídia de que, em vários estados, estavam sendo realizadas investigações da Polícia Federal.

Últimas